China apresenta sonda que investigará lado oculto da Lua

Veículo terá nome escolhido pelo público e quem sugerir a proposta escolhida irá assistir ao lançamento da Chan’e-4

O veículo explorador para a sonda lunar chinesa Chang’e-4 foi apresentado na última semana em uma coletiva de imprensa e deve pousar no lado oculto da Lua ainda esse ano. Com 1,5 m de comprimento por 1 m. de largura e 1,1 m de altura, o veículo se assemelha a uma caixa retangular com dois painéis solares e seis rodas.

De acordo com o projetista-chefe do programa de sonda lunar da China, Wu Weiren, o veículo é semelhante ao seu antecessor, o Yutu (Coelho de Jade), o primeiro explorador lunar do país para a sonda Chang’e-3, em 2013. Apesar disso, ele terá partes adaptáveis e uma configuração de carga ajustável para lidar com o terreno complexo no lado oculto da Lua, a demanda de comunicação de retransmissão e as necessidades reais dos objetivos científicos.

O veículo será equipado com quatro dispositivos, como uma câmera panorâmica, um espectrômetro de imagem infravermelho e dispositivos de radar, para tirar imagens da superfície e detectar o solo e a estrutura da Lua. Tanto o pousador, quanto o explorador irão transportar equipamentos de outros países.

A sonda vai pousar na Bacia de Aitken, localizada no polo sul do lado oculto da Lua, que é o foco da exploração científica e espacial. Como um dos maiores desafios dessa missão é o fato de que a comunicação direta com o lado oculto da Lua não é possível, a China lançou, em maio, um satélite de retransmissão para criar um link de comunicação entre a Terra e a Chang’e-4.

Segundo a Administração Nacional de Ciência, Tecnologia e Indústria para a Defesa Nacional, foi aberto um concurso que dá ao público a chance de batizar o veículo explorador, como aconteceu com o Yutu. As propostas podem ser enviadas até o dia 5 de setembro e, após diversas etapas de seleção, o nome escolhido será anunciado em outubro. Os vencedores receberão até 3 mil yuans e irão assistir ao lançamento da sonda solar.


Fonte: Xinhua

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.