China apresenta proposta de quatro pontos sobre conflito Palestina-Israel

País ressaltou que situação resultou em um grande número de vítimas, incluindo mulheres e crianças

A China apresentou uma proposta de quatro pontos sobre a escalada do conflito Palestina-Israel, anunciou o conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, no domingo.

Wang fez as observações ao presidir o debate aberto do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) sobre “A Situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestina” via videoconferência.

Wang disse que a escalada do conflito entre Israel e Palestina resultou em um grande número de vítimas, incluindo mulheres e crianças. A situação é extremamente crítica e severa, e um cessar-fogo e fim da violência são urgentemente necessários. A comunidade internacional deve agir com urgência para prevenir uma maior deterioração da situação e proteger as vidas da população local, destacou Wang.

Em resposta à atual situação, o ministro apresentou uma proposição de quatro pontos:

Primeiro, cessar-fogo e fim da violência são as máximas prioridades. Segundo, assistência humanitária é uma necessidade urgente. Terceiro, apoio internacional é uma obrigação. Quarto, uma “solução de dois estados” é a saída fundamental.

A China apoia os dois lados a retomarem conversações de paz, estabelecendo um Estado da Palestina independente que desfrute da soberania total com Jerusalém Oriental como sua capital e com base na fronteira de 1967.

“A China continuará a intensificar esforços para promover as conversações de paz e cumprirá com seus deveres na presidência rotativa do CSNU”, garantiu Wang. Ele espera que os negociadores dos dois países realizem conversas diretas em território chinês.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.