China apoia reparação por danos causados pelas mudanças climáticas

A China apoia a proposta de que os países desenvolvidos compensem os países em desenvolvimento, especialmente os mais vulneráveis ao impacto das mudanças climáticas, pelas perdas e danos sofridos por este fenômeno, disse Xie Zhenhua, enviado especial da China para mudanças climáticas, nesta quarta-feira.

O tema “perdas e danos” foi pela primeira vez incluído na agenda principal de discussão durante a 27ª sessão da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, realizada na cidade costeira de Sharm El-Sheikh, no Egito.

Muitos países em desenvolvimento têm argumentado que emitem uma fração dos gases de efeito estufa em comparação com os países industrializados, mas são desproporcionalmente impactados pelas consequências das mudanças climáticas globais.

“A China, como país em desenvolvimento, solidariza-se com as ‘perdas e danos’ de outros países em desenvolvimento, pois estamos sujeitos ao impacto do clima extremo e estamos plenamente conscientes dos sentimentos dos países vulneráveis às mudanças climáticas”, disse Xie, em entrevista coletiva na COP27, acrescentando que estaria satisfeito em ver que o tema está na agenda da sessão deste ano.

“Apoiamos a ideia de estabelecer um fundo especial para lidar com as perdas e danos”, disse. “Várias partes precisam unir esforços para encontrar uma forma adequada de financiamento por meio da negociação”.

Países em diferentes estágios de desenvolvimento têm responsabilidades comuns, mas diferentes, na abordagem da questão das “perdas e danos”, disse Xie, acrescentando que a China – embora não tenha necessidade de compensar perdas e danos – gostaria de cooperar com outros países em desenvolvimento para ajudar na mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

Durante a COP27, muitos líderes africanos pediram mais financiamento dos países desenvolvidos para ajudar o continente a combater as mudanças climáticas. Embora seja responsável por menos de 5% das emissões globais de gases de efeito estufa, a África é o continente mais afetado pelas mudanças climáticas, com a seca contínua no Chifre da África, ameaçando milhões de vidas.

“Perdas e danos não são um tópico abstrato de diálogo sem fim: é nossa experiência diária e o pesadelo vivo de milhões de quenianos e centenas de milhões de africanos”, disse William Ruto, presidente do Quênia, durante a conferência.

“As perdas e danos devem, portanto, ser tratados com um nível de seriedade, que demonstre justiça, urgência e consideração”.

Xie pediu também aos países desenvolvidos que cumpram sua promessa de fornecer US$ 100 bilhões aos países em desenvolvimento todos os anos o mais rápido possível para ajudar no combate às mudanças climáticas.

“Os países desenvolvidos se comprometeram a fornecer US$ 100 bilhões por ano em Copenhaga em 2009, mas o compromisso não foi honrado 13 anos depois”, disse, acrescentando que um déficit de financiamento de US$ 260 bilhões foi acumulado nos últimos 13 anos.

“Além disso, para honrar a promessa de US$ 100 bilhões, um roteiro deve ser divulgado para o pagamento da dívida de US$ 260 bilhões e o aumento do financiamento após 2025 para os países em desenvolvimento”, disse Xie.

Falando na Cúpula de Implementação Climática da conferência na terça-feira, Xie disse que a China tem enfrentado ativamente as mudanças climáticas por meio de ações persistentes e pragmáticas.

“A firme determinação e posição da China de implementar as metas de atingir o pico de carbono, alcançar a neutralidade de carbono e de participar ativamente na governança climática global nunca mudarão”, disse Xie.

Fonte: Diário do Povo Online

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.