Base de dados ajuda a identificar soldados chineses mortos

Os pesquisadores responsáveis criaram essa base com o objetivo de ajudar as famílias de soldados que não retornaram da Guerra da Coreia a encontrarem seus parentes desaparecidos

Um banco de dados de DNA de soldados voluntários chineses mortos na Guerra da Coreia (1950-1953) e seus parentes foi estabelecido por um grupo de pesquisadores da China, com o objetivo de fornecer apoio técnico seguro e de dados para ajudar mais famílias a encontrarem seus parentes desaparecidos. Esse projeto teve início em 2015, com o instituto de pesquisa médica militar da Academia de Ciências Militares do Exército de Libertação Popular, e neste ano eles completaram a análise de DNA de 494 restos mortais.

A equipe de pesquisa inventou um método rápido e eficiente para obter dados de DNA úteis vindos de restos de esqueletos severamente degradados depois de décadas de contaminação por microorganismos da terra. Segundo o pesquisador líder, Wang Shengqi, como alguns dos soldados morreram em idade jovem e não tiveram nenhum filho, e poucos de seus pais ou irmãos estão ainda vivos, a confirmação dos restos mortais se tornou difícil e foram necessários dados de DNA de familiares distantes.

Wang disse que com o apoio de muitos institutos e especialistas domésticos, a equipe de pesquisa atualizou as tecnologias de sequência que podem detectar mais genes simultaneamente a fim de superar os desafios na identificação.

A equipe de pesquisa estudou por muito tempo as tecnologias de detecção de gene e aplicações. Ela contribuiu para a confirmação em laboratório do primeiro caso da China de gripe A (H1N1) e foi responsável pelo desenvolvimento do primeiro kit de detecção de ácido nucleico do país para ajudar a prevenir e controlar a epidemia do Ebola em países africanos.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.