Autor: Administrador

Disneyland de Hong Kong tem receita recorde em 2018

fevereiro 26, 2019 9:00 am Published by Leave your thoughts

A Hong Kong Disneyland Resort (HKDL) gerou em 2018 uma receita de 6 bilhões de dólares de Hong Kong (US$ 765 milhões), com um aumento de 18% em relação ao ano anterior. De acordo com um comunicado feito pelo parque, esse é um valor recorde desde a sua inauguração.

As perdas líquidas foram reduzidas para 54 milhões de dólares de Hong Kong (6,9 milhões de dólares), o que representa uma melhora de 85% em relação a 2017. Segundo a HKDL, foram realizadas 6,7 milhões de visitas durante 2018, 8% a mais que no ano anterior.

O crescimento da receita foi atribuído ao aumento do número de diárias oferecidas em hotéis locais, ao atendimento do parque e aos gastos dos visitantes, pelo que afirmou a HKDL.


Chineses voltam a frequentar livrarias tradicionais

fevereiro 25, 2019 5:15 pm Published by Leave your thoughts

s leitores chineses estão voltando a frequentar livrarias tradicionais à medida em que elas passam a oferecer novos produtos, de acordo com uma pesquisa feita pelo Bookdao New Publishing Institute e publicada no jornal China Daily. Para o estudo, a consultoria da indústria editorial e de venda de livros entrevistou 62 cadeias de livrarias e revelou que 65% delas pretendem abrir mais de cinco novas lojas em 2019, e 18% delas abrirão mais de 100.

No final do ano passado havia mais de 225 mil livrarias e pontos de venda no país, um aumento de 4,3% ante 2017. As vendas totais de publicações no setor de varejo nacional atingiram 158 bilhões de yuans (US$ 23,6 bilhões), crescendo 11,3% em relação ao ano anterior, segundo o relatório.

O fundador da popular cadeia de livrarias Yanjiyou, Dan Jie, afirmou que todas as suas filiais dão grande importância a um ambiente elegante e decorações únicas. Suas lojas ainda contam com cafés, galerias de arte e seções que vendem produtos culturais. Outras livrarias, como a Sisyphe, estão usando a tecnologia de bigdata para garantir que os livros em cada livraria correspondam aos gostos de consumidores dos distritos específicos.

Entre as razões para a revitalização das livrarias que os membros da indústria mais citaram durante a pesquisa estavam as políticas favoráveis lançadas nos últimos anos. Outro motivo bastante comentado foi a atualização do consumo cultural, que faz com que os consumidores busquem mais conteúdo e estilos de vida de qualidade.


China avança no combate à pobreza nos últimos anos

fevereiro 25, 2019 3:30 pm Published by Leave your thoughts

A China obteve “avanços importantes e decisivos” no combate à pobreza nos últimos seis anos, e continuará com seus esforços para estabelecer uma base sólida que servirá para vencer a batalha contra a pobreza em 2020, pelo que afirmou Ou Qingping, vice-diretor do Grupo Dirigente do Conselho de Estado para o Alívio a Pobreza e Desenvolvimento.

O país conseguiu fazer com que 82,39 milhões de residentes rurais melhorassem a sua situação de vida nos últimos seis anos, o que significa que dos 98,99 milhões de chineses em situação de desvantagem que haviam no final de 2012, apenas 16,6 milhões continuavam assim no fim de 2018. Ou ainda afirmou que o índice de pobreza foi de 10,2% para 1,7% no mesmo período.

O vice-diretor ainda afirmou que o país, durante o ano de 2019, focará na promoção dos esforços de alívio a pobreza nas regiões de extrema miséria, em atender as necessidades dos moradores empobrecidos e em elevar a qualidade do combate à pobreza, entre outros aspectos. O objetivo da China é melhorar as condições de todos os residentes rurais que vivem abaixo da linha da pobreza e eliminá-la de todos do distritos e regiões empobrecidas do país até 2020.


Xiaomi apresenta seu novo smartphone, o Mi 9

fevereiro 25, 2019 2:00 pm Published by Leave your thoughts

A Xiaomi, gigante chinesa da tecnologia, lançou o Mi 9, seu novo smartphone de ponta que é capaz de recarregar a bateria sem fio a 20W, sendo o primeiro celular capaz de fazer isso em todo o mundo. Para atingir a carga máxima de 20W no carregamento sem fio foi adicionada  uma nova bobina que melhora a eficiência e a estabilidade desse processo.

O smartphone é equipado com a nova geração do Qualcomm Snapdragon 855 e possui uma combinação tripla de câmeras: uma principal de 48 MP, uma ultra grande angular de 16 MP e uma telefoto de 12 MP. O aparelho começará a ser vendido no dia 26 de fevereiro no site mi.com e nos principais canais de vendas da Xiaomi na China e custa a partir de 2.999 yuans (US$ 443,9).

A Xiaomi, que vem investindo mais na Internet das Coisas, lançou também o Mi 9 SE mais compacto, três dispositivos de carregamento sem fio e um novo alto-falante inteligente com tela sensível ao toque de 4 polegadas.

Esse é o primeiro lançamento da Xiaomi desde que a companhia anunciou que adotaria uma estratégia de desenvolvimento de duas marcas, tornando a Redmi uma marca independente. O primeiro produto da nova marca apresentou vendas robustas após seu lançamento, sendo que, em menos de um mês, mais de um milhão de unidades já foram comercializadas, de acordo com o fundador e CEO da Xiaomi, Lei Jun.


China lança campanha contra motoristas alcoolizados

fevereiro 25, 2019 12:30 pm Published by Leave your thoughts

O governo chinês lançou uma campanha de um ano para combater a condução sob efeito do álcool, de acordo com informações do Ministério da Segurança Pública. Segundo a diretriz divulgada pelo departamento de gestão de trânsito da pasta, os policiais deverão fortalecer os testes, fazendo inspeções diárias e regulares nas ruas.

A condução sob efeito de álcool é uma das principais causas de acidentes de trânsito na China, por isso, a campanha tem como objetivo reduzir os números de acidentes e suas vítimas, pelo que afirmou o departamento. Em 2018, 17.264 chineses perderam suas carteiras de motorista para sempre, entre eles 5.149 que foram flagrados conduzindo bêbados e causaram acidentes de trânsito.


Xi Jinping encontra representantes da missão Chang’e-4

fevereiro 25, 2019 11:28 am Published by Leave your thoughts

O presidente da China, Xi Jinping, se reuniu na última semana com os representantes científicos e engenheiros espaciais que participaram da pesquisa e desenvolvimento da missão Chang’e-4. O encontro aconteceu no Grande Salão do Povo, no centro de Pequim e Xi, que também é secretário geral do Comitê Central do Partido Comunista da China, ressaltou que a exploração do espaço não tem fim.

Ele ainda pediu àqueles que trabalham nas áreas de ciência e tecnologia e aos engenheiros espaciais da China que se unam à onda da missão Chang’e-4 para alcançar o objetivo geral do projeto lunar chinês. Outras solicitações feitas por Xi foram que sejam feitos mais esforços para impulsionar a causa aeroespacial internacional e trazer mas conhecimento, soluções e força chinesa para o uso pacífico do espaço e a construção de uma comunidade de destino compartilhado para a humanidade.


Guardiões da cultura tibetana

fevereiro 21, 2019 3:11 pm Published by Leave your thoughts

Tsering Dorje remove uma folha de papel seco de uma tela: dificuldade em transmitir sua arte para as futuras gerações

Durante séculos, os tibetanos se dedicam a proteger sua singularíssima cultura tradicional. Em 2005, os guardiões da cultura local solicitaram o status de herança cultural intangível para as suas relíquias culturais e livros antigos. Desde então, a ópera Tibetana e o Épico do Rei Gesar foram incluídos na Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Unesco; 70 itens, entre eles as thangka, a singular pintura tibetana que remonta ao século VIII, e a arte tibetana de confecção de papel foram incorporados à lista do patrimônio cultural imaterial do país; e mais de 200 itens foram listados nas categorias de proteção do patrimônio cultural imaterial das regiões autônomas.

O estudo e a proteção das escrituras em folhas de palmeira pattra começaram em 2006. Após anos de esforços, pesquisadores agora compreendem a situação das escrituras em folhas de pattra existentes e têm implementado medidas de proteção. Essas escrituras antigas, após centenas de anos de obscuridade, estão ganhando nova aparência e sendo mostradas ao mundo.

A confecção de papel no Tibete

O rio Yarlung Zangbo, com sua nascente nos Himalaias, corre de oeste para leste. Este plácido rio torna-se turbulento ao passar pelo desfiladeiro Nyemo. Desde tempos antigos, as civilizações têm se originado em bacias hidrográfica de grandes rios. O Condado de Nyemo, situado ao longo da extensão média do rio Yarlung Zangbo, sempre nutriu a esplêndida cultura tibetana. O inventor da escrita tibetana no século VII, Thonmi Sambhota, nasceu aqui. O incenso, o papel e os entalhes produzidos localmente desfrutaram de grande reputação no planalto tibetano, sendo apelidados de os “Três Feitos de Nyemo”.

Como um importante veículo da cultura local, o papel tibetano tem feito sua história e ao mesmo tempo testemunhado vicissitudes. Devido ao impacto da industrialização, o papel tradicional, de confecção manual, está em declínio. A vila Shora no condado de Nyemo, um dos três lugares do Tibete renomados pela confecção do papel, faz agora esforços redobrados para preservar essa antiga arte.

No pátio de uma unidade de fabricação de papel tibetano em Nyemo, dezenas de folhas de papel estão expostas ao ar. Na pequena fábrica, não se ouve o som das máquinas. Os trabalhadores lidam com pilhas de acônito (uma planta fibrosa rara, também conhecida como wolfbane ou “veneno de lobo”), o principal material para a fabricação de papel tibetano, expostas ao sol para secar. Por ser venenosa, a planta é repelida até pelos animais, silvestres ou domésticos. Devido à sua natureza peculiar, o papel de acônito é resistente a insetos, à prova de ratos e muito resistente.

Na confecção do papel tibetano, o tecido branco vivo é removido das raízes de acônito. Depois de limpo e seco, é fervido e pulverizado manualmente com auxílio de pedras. Misturado à água, forma a polpa de papel. Essa polpa é então espalhada uniformemente sobre a superfície de uma tela, colocada em água. Depois de secar, o papel é removido da tela.

Um novo tipo de papel tibetano para decoração com folhas e flores frescas adicionadas às suas camadas, foi desenvolvido por artesãos de Shora.

Como apenas a parte central da raiz de acônito pode ser usada como material, e devido também ao longo ciclo da planta, a indústria de confecção de papel tibetano está enfrentando escassez de material. Tsering Dorje, um artesão de confecção de papel, está tentando o cultivo artificial. No entanto, em dois anos as mudas de acônito cresceram apenas alguns centímetros. Não se sabe quanto tempo demorarão até alcançar seu tamanho normal. Outro problema que preocupa Dorje é como transmitir essa arte de confecção do papel tradicional à próxima geração. Ele adotou a profissão quando era adolescente e agora, com quase 70 anos de idade, tem apenas dois filhos para levar adiante essa arte. Seus antigos aprendizes acabaram abandonando a ocupação pelo baixo rendimento que propicia. Para poder sobreviver no mundo moderno, a velha arte de confecção de papel precisa de inovação. Há alguns anos, para atender ao crescente mercado de turismo, Dorje começou a introduzir produtos culturais criativos. Uma inovação popular é colocar flores frescas e grama entre as camadas de papel durante a produção. O papel tibetano, antes usado principalmente para as escrituras, agora é amplamente usado para a produção de lanternas e cadernos de notas, vendidos em muitos locais tibetanos de cenários atraentes. Apesar de seu caráter introvertido, Dorje tem trabalhado ativamente junto à mídia para promover o papel tibetano feito em Shora.

Restauro de manuscritos

Norbu Lingka, localizado nos arredores da área oeste da cidade de Lhasa, é um típico jardim no estilo tibetano. Seu nome significa “Jardim do Tesouro” em tibetano. O escritório da administração do jardim foi estabelecido em 1995. Dois anos mais tarde, Jumi Tsultrim foi contratado para preservar as relíquias culturais ali guardadas. Hoje seus colegas costumam dizer que Tsultrim é um dos tesouros do jardim.

O fato que mais marcou sua carreira foi participar do restauro de manuscritos em papel de folhas de acônito, em 2006. As escrituras existentes no Tibete eram principalmente obras do período entre os séculos VIII e XIV, com seu conteúdo versando quase sempre sobre diversos aspectos da cultura tradicional da religião, intimamente relacionados à Tripitaka, a mais antiga coleção de escrituras budistas tibetanas, de grande valor para a pesquisa da história do budismo no Tibete e dos intercâmbios culturais entre a China e a índia. Graças à forte consciência local e aos métodos únicos de proteção das relíquias culturais, favorecidos ainda pelo clima seco do Tibete, as escrituras tibetanas em folhas de acônito têm sido bem preservadas. Das quase mil escrituras desse tipo existentes em folhas de acônito, entre 60% e 80% delas foram encontradas no Tibete.

Os manuscritos em folha de acônito, a maioria escrita em sânscrito, são acessíveis apenas a um grupo seleto. Tsultrim havia escrito um livro sobre a história da proteção das escrituras em folha de acônito, que foi como o grupo local de proteção cultural soube da existência dele. Ele tem real experiência no trabalho de reparação de relíquias culturais, e também acabou aprendendo sânscrito. No entanto, reparar escrituras antigas é um imenso desafio para a equipe, já que o armazenamento por longo tempo acabou fazendo com que muitas delas sofressem com o mofo, apodrecessem ou fossem danificadas por traças, sem contar o fato de que a numeração de páginas desses manuscritos é diferente da usada nas escrituras budistas tradicionais.

O processo de reparação envolve juntar, classificar fazer fotocópias, reunir os fragmentos de papel e catalogar. Nessa etapa de reunião dos fragmentos, Tsultrim aplicou cola tradicional que tem sido amplamente usada no reparo de estatuetas budistas, tentando com isso diminuir as fissuras sem causar danos adicionais. O desafio também vinha do fato de ser difícil discernir alguns padrões de caracteres sânscritos. Para conseguir reparar as escrituras em folhas de acônito, Tsultrim estudou uma dúzia de tipos de caracteres sânscritos. Quando a equipe de reparo encontrava alguma parte na qual não tinha certeza sobre a tradução do sânscrito para o tibetano, seus membros registravam isso no relatório de pesquisa, com o objetivo de chamar a atenção da geração seguinte.

Durante seis anos, à procura de documentos em tibetano, chinês e inglês sobre as escrituras em folhas de acônito, Tsultrim e a equipe de proteção cultural visitaram templos e ruínas culturais em 41 condados do Tibete, e entrevistaram inúmero lares comuns, tentando obter um levantamento geral das escrituras em folha de acônito existentes.

Fluente em mandarim, tibetano e sânscrito, Jumi Tsultrim tornou-se um grande especialista no restauro de manuscritos em folha de acônito

Como dedicado reparador de relíquias culturais, Tsultrim tem procurado manter a aparência original das peças antigas. Durante o período de 2001 a 2005, concluiu várias tarefas importantes na reparação de livros tibetanos antigos.

A excelência do trabalho de Jumi pode ser atribuída tanto à sua dedicação à profissão como à sua vasta bagagem cultural. Formado pela Faculdade de Budismo Tibetano da China, Tsultrim é fluente tanto em tibetano quanto em sânscrito; ao mesmo tempo, é também um mestre em caligrafia. Como vice-presidente da Associação de Calígrafos Tibetanos, centenas de obras suas em caligrafia tanto em tibetano quanto em sânscrito têm sido reunidas por organizações regionais. Ele obteve múltiplos prêmios nessa área, tanto em nível nacional quanto em nível regional tibetano. Para melhor levar adiante a preservação da cultura tibetana, Tsultrim trabalha como voluntário no ensino da caligrafia tibetana. Seu grupo de estudos tibetanos aumentou e já conta com mais de 600 alunos espalhados por toda a Região Autônoma do Tibete. Alguns deles seguiram adiante e se tornaram também professores, tomando o mesmo caminho de Tsultrim na promoção da cultura tradicional local.

Na nova era, a cultura tibetana tradicional está abraçando novas oportunidades de desenvolvimento. E os mestres da cultura local como Tsultrim estão tendo um campo ainda maior para seguir carreira. Sua dedicação, conhecimento da cultura e experiência têm feito deles verdadeiros tesouros da região no que se refere à herança cultural.


China fortalece formação de profissionais do ensino de áreas rurais

fevereiro 20, 2019 5:00 pm Published by Leave your thoughts

A China lançou uma série de medidas para fortalecer a formação de profissionais de ensino das áreas rurais do país em 2018, tendo gasto 4,5 bilhões de yuans (US$ 600 milhões aproximadamente), de acordo com informações divulgadas pelo Ministério da Cultura. Cerca de 1,27 milhões de professores rurais foram beneficiados com essas medidas, afirmou Ren Youqun, diretor do Departamento de Educação dos Professores da pasta.

Apenas no ano passado, a China recrutou mais de 85 mil universitários em um programa para enviá-los às áreas rurais durante três anos. O país também atraiu mais 45 mil recém-graduados por meio de um financiamento governamental para que eles ensinem em áreas rurais, aumentando a oferta de educação nessas regiões. Além disso, foi preparado um programa para recrutar 24 mil professores e 1,8 mil professores aposentados para participarem como voluntários nessas áreas.

Ren ainda acrescentou que, por meio de um programa de apoio à educação, a China enviou 4 mil professores voluntários para a Região Autônoma do Tibete e a Região Autônoma Uigur de Xinjiang em 2018. Outro programa implementado no último ano busca treinar e reconhecer jovens professores provenientes das áreas rurais, dando um incentivo de até 10 mil yuans por pessoa. Os planos do país para 2019 é de melhorar o tratamento dos professores rurais, aumentar o seu status social e fortalecer suas habilidades profissionais.


Ficção científica chinesa conquista o posto de segunda maior bilheteria do país

fevereiro 20, 2019 3:00 pm Published by Leave your thoughts

O filme de ficção científica chinês “The Wandering Earth” já conquistou o posto de segunda maior bilheteria da história do país, de acordo com a companhia Maoyan, especializada em monitorar as bilheterias de cinema. Lançado no dia 5 de fevereiro último, o filme arrecadou mais de 3,7 bilhões de yuans (US$ 547 milhões) até às 16h de sábado (16), superando outra superprodução do país asiático: “Operation Red Sea”.

The Wandering Earth ainda bateu o recorde de cinco anos de um filme chinês no mercado norte-americano, segundo dados da CMC Inc., empresa de Xangai que é responsável pela distribuição do filme na região.

A obra é baseada em uma história curta com o mesmo nome, escrita por Liu Cixin, considerado um dos escritores de ficção científica mais renomados da China, sendo o primeiro chinês a ganhar o Prêmio Hugo. Ele conta a história de um projeto para fazer com que a Terra e todos os seus habitantes se movam em busca de um novo sistema estelar para fugir da ameaça que o Sol impõe ao planeta por estar morrendo e poder engoli-lo.


China divulga plano de desenvolvimento para a Grande Área da Baía Guangdong-Hong Kong-Macau

fevereiro 20, 2019 1:30 pm Published by Leave your thoughts

O esboço de um plano de desenvolvimento para a Grande Área da Baía Guangdong-Hong Kong-Macau foi divulgado nessa segunda-feira pelo Comitê Central do Partido Comunista da China e o Conselho de Estado. O objetivo desse plano é transformar a região em um “modelo exemplar de desenvolvimento de alta qualidade”.

Para a implementação do projeto, eles propõem uma forte liderança para a coordenação e orientação, além do estabelecimento de um grupo de liderança para o desenvolvimento da região e resolução dos problemas que podem surgir durante o processo. O plano abrange o período que vai de agora até 2022, nos pontos a curto prazo, e se estende até 2035 nos que dizem respeito a ações a longo prazo.

O documento conta com 11 capítulos, apesentando neles o contexto do plano; os requisitos gerais; a disposição espacial; o desenvolvimento de um centro internacional de inovação e tecnologia; a aceleração da conectividade de infraestrutura; a construção de um sistema industrial moderno globalmente competitivo; a promoção da conservação ecológica; o desenvolvimento de um círculo de vida de qualidade para vida, trabalho e viagem; o fortalecimento da cooperação e participação conjunta na Iniciativa do Cinturão e Rota; o desenvolvimento conjunto de plataformas de cooperação Guangdong-Hong Kong-Macau e a implementação do plano.

Ele também destaca a necessidade de avançar nas principais tarefas e estimula os ministérios centrais relevantes a se concentrarem na formulação de políticas e medidas concretas que apoiem o desenvolvimento da Grande Área da Baía. Ele também enfatiza a necessidade de fortalecer a comunicação com os governos da província de Guangdong e com as Regiões Administrativas Especiais (RAEs) de Hong Kong e Macau, e de respeitar o Estado de Direito e a abordagem baseada no mercado para coordenar e resolver questões que surjam durante o desenvolvimento da Grande Área da Baía.