Autor: Administrador

Rio de Janeiro realiza seminário sobre os BRICS

novembro 4, 2019 6:30 pm Published by Leave your thoughts

O 3º Seminário de Governança dos BRICS aconteceu na última semana na cidade do Rio de Janeiro. Com “Governança Inovadora para o Crescimento da Nova Era” como tema central, o evento foi coordenado pela FGV Direito Rio, pelo Centro de Economia Mundial (CEM) da FGV, e pela Academy of Contemporary China and World Studies (ACCWS) e teve o Ministério da Economia do Brasil/Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) e o Ministério da Publicidade da China como anfitriões.

A cerimônia de abertura, que foi mediada por Evandro Menezes Carvalho (professor da FGV Direito Rio e editor da China Hoje), contou com discursos de Lucas Ferraz, secretário do Comércio Exterior do Ministério da Economia do Brasil, e Liang Yanshun, subchefe do Departamento de Publicidade do Comitê Central do PCCh. Além disso, aconteceram os lançamentos do livro versão portuguesa de “Palavras-Chave Para Conhecer a China: A Governança da China” e do projeto “Belt and Road Brazil – BR&Br”.

Durante a parte da tarde, o evento realizou sessões paralelas, com os seguintes temas: “Economia Digital e Crescimento Movido por Inovação”; “Defendendo o Multilateralismo e a Abertura para um Futuro Melhor”; e “Desenvolvimento Centrado na Pessoa e Cooperação Internacional para um Mundo Melhor”.

O seminário, que aconteceu também em 2018 na África do Sul e em 2017 na China, terminou com um jantar de encerramento.

 


Países lusófonos têm grande potencial de cooperação com a China

novembro 4, 2019 2:35 pm Published by Leave your thoughts

A cooperação econômica e comercial entre a China e os países lusófonos alcançou novas conquistas apesar do protecionismo comercial e do unilateralismo e ainda há muito potencial de cooperação nas áreas emergentes, pelo que disse o ex-secretário-geral do Fórum para a Cooperação Econômica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum de Macau), Wang Cheng’an, em entrevista à Xinhua.

Apesar das incertezas que o protecionismo comercial e o unilateralismo trazem para a economia mundial, o valor total das importações e exportações entre a China e os países lusófonos cresceu 25% em 2018, a US$ 150 bilhões, segundo a administração aduaneira chinesa.

Desde 2009, a China tem sido o maior parceiro comercial do Brasil, além de ser também o maior parceiro comercial na Ásia para Portugal e Cabo Verde. Em 2018, o valor das importações e exportações de mercadorias entre a China e Moçambique, Brasil, Angola, Guiné-Bissau, Portugal aumentou 35,68%, 26,59%, 24,21%, 9,97% e 7,27%, respectivamente.

“O protecionismo e o unilateralismo não impediram a cooperação econômica e comercial entre a China e os países lusófonos”, disse Wang. “A China e os países lusófonos trabalharão mais estreitamente para aproveitar as oportunidades e enfrentar os desafios”.

Segundo ele, os países lusófonos, com população de 280 milhões de pessoas, têm um enorme potencial de desenvolvimento. A China estabeleceu parcerias estratégicas com todos eles, e nos últimos anos, sob a orientação da Iniciativa do Cinturão e Rota, a cooperação multilateral e bilateral entre a China e os países lusófonos alcançou grandes resultados e salvaguardou a pedra angular do multilateralismo.

Além das áreas tradicionais como infraestrutura e produtos agrícolas, a China e os países lusófonos têm um enorme potencial de cooperação em áreas emergentes, como comércio eletrônico e tecnologia de comunicação, afirmou Wang.

Ele disse ainda que a China está desenvolvendo serviços internacionais de correio expresso com os países lusófonos, que têm muito espaço no comércio eletrônico. O Brasil possui o maior mercado de comércio eletrônico na América Latina. As compras online em Cabo Verde representam 40% do volume postal do país e outros países, como Angola, Moçambique e Timor-Leste, estão aprimorando os serviços de correio internacional, encomendas postais e encomendas registradas.

Quanto à área da tecnologia de comunicações, a Huawei está presente no mercado dos países lusófonos e assinou um contrato com a Altice, a maior operadora de telefonia de Portugal, para fornecer equipamentos e software para redes comerciais 5G. O governo brasileiro, por sua vez, disse que não impedirá a Huawei de operar a rede de 5G no país. Existe uma grande margem de cooperação entre a China e os países lusófonos nesta área.

Fonte: Xinhua

2ª CIIE contará com cerca de 200 empresas de Hong Kong

novembro 4, 2019 10:21 am Published by Leave your thoughts

A 2ª Exposição Internacional de Importação da China (CIIE, na sigla em inglês) contará com a participação de cerca de 200 empresas de Hong Kong, que deverão mostrar os produtos e serviços de qualidade da região e promover o seu papel como plataforma de comércios e negócios internacionais da Ásia, pelo que anunciou o governo da Região Administrativa Especial (RAE) de Hong Kong.

O evento, que será realizado de 5 a 10 de novembro em Xangai, terá a área de exibição de Hong Kong dentro do Pavilhão da China na Feira Nacional de Comércio e Investimento. Ela será estabelecida para apresentar seu papel, as contribuições e a participação nos 70 anos desde a fundação da República Popular da China, além dos marcos históricos e das oportunidades de desenvolvimento do comércio e da economia de Hong Kong, incluindo os resultados da Iniciativa do Cinturão e Rota e o desenvolvimento da Grande Área da Baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

As quase 200 empresas de Hong Kong, 20% a mais que no ano passado, participarão também da Feira de Empresas e Comércio da segunda CIIE. “O número crescente de empresas participantes manifesta a vontade delas de fazer uso da oportunidade essencial oferecida pela CIIE para promover os produtos e serviços de qualidade de Hong Kong ao mercado da parte continental chinesa e os mercados internacionais”, disse Edward Yau, secretário de comércio e desenvolvimento econômico da RAE de Hong Kong.

A CIIE traz oportunidades massivas às empresas de Hong Kong que estão interessadas em explorar o mercado da parte continental chinesa, apontou ele. “Hong Kong tem estabelecido parceria com as empresas na parte continental da China na exploração de novas oportunidades de desenvolvimento e na importação de produtos e serviços de todo o mundo para a China, comprovado pelo aumento de cerca de 8% do volar total de produtos reexportados à parte continental chinesa através de Hong Kong no ano passado”, ressaltou Yau.


3ª exposição fotográfica de mídia do BRICS acontece em São Paulo

novembro 1, 2019 4:15 pm Published by Leave your thoughts

A 3ª exposição fotográfica conjunta de mídias do BRICS teve início na última semana no Centro Cultural de São Paulo e a sua inauguração contou com a presença de representantes dos principais meios de comunicação do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, os países integrantes do bloco. A mostra conta com quase cem fotografias das cinco nações, que mostram o desenvolvimento econômico, o progresso científico e tecnológico, intercâmbio de pessoas e culturas, a beleza natural e a cooperação entre esses países.

O tema da expo deste ano é “Glorificar o BRICS, compartilhar o futuro”, e o evento é copatrocinado pela Agência de Notícias Xinhua e a CMA Consultoria, Métodos, Assessoria e Mercantil S/A. A exposição fotográfica contou com dezenas de veículos de comunicação dos países do BRICS que ofereceram fotos tiradas por seus próprios fotógrafos, participando desta maneira ativamente da exposição.

He Ping, editor-chefe da Xinhua, assegurou durante a inauguração da exposição que as fotos selecionadas refletem o espírito do BRICS de abertura, inclusão, cooperação e benefício mútuo, demonstrando o duro trabalho e a vida feliz dos povos do BRICS. O estilo das fotografias retrata também os passos sólidos de apoio e solidariedade entre os países de mercados emergentes e em vias de desenvolvimento.

Para ele, as quase 100 fotografias da exposição não são só o resultado concreto do mecanismo de cooperação das mídias do BRICS, como também o testemunho histórico do desenvolvimento conjunto de seus países. “Também é uma lembrança preciosa para que pessoas de todo o mundo troquem ideias e se conheçam”, acrescentou.

O diretor também disse que para liberar completamente o potencial de crescimento dos países do BRICS e a criatividade dos 3 bilhões de pessoas que vivem em seus territórios, os meios de comunicação de todos os países membros devem continuar desempenhando o papel de ponte para promover a amizade e chegar ao coração das pessoas.

Segundo ele, isto pode ser realizado através da organização de exposições de fotografia conjuntas e fóruns de alto nível, com intercâmbios e entrevistas conjuntas, que fortalecem a comunicação e a coordenação. As mídias do BRICS contam conjuntamente as novas histórias e boas histórias de cooperação do BRICS, que permitem que o mundo seja testemunha do desenvolvimento e o progresso dos cinco países.

José Sánchez, presidente do grupo CMA, por sua vez, afirmou que muitos fotógrafos capturaram momentos maravilhosos através de uma observação aguda e mostraram a humanidade, natureza, cultura, economia e tecnologia dos países do BRICS.

Essa é a 3ª exposição de mídia do BRICS. A 1ª foi realizada em junho de 2017 em Pequim, organizada pela Agência de Notícias Xinhua, e desde então ela acontece anualmente. A 2ª edição do evento aconteceu na Cidade do Cabo, na África do Sul, e foi patrocinada conjuntamente pela Agência de Notícias Xinhua e o Grupo Mídias Independentes da África do Sul.

A expo ficará aberta no Centro Cultural São Paulo (CCSP) até o dia 10 de novembro.

Fonte: Xinhua

China lança moedas comemorativas com tema de pandas

novembro 1, 2019 12:30 pm Published by Leave your thoughts

O banco central da China emitiu um lote de moedas de ouro e prata com a temática de pandas na última quarta-feira (30). Segundo um anúncio feito pelo Banco Popular da China (PBOC), as doze moedas, da edição de 2020, fazem parte da moeda corrente na China.

Na parte da frente de cada moeda tem o Salão da Oração para a Boa Colheita, que é a principal estrutura do Templo do Céu de Pequim, enquanto no verso das moedas tem a imagem de um panda comendo bambu. Uma das moedas de ouro refinadas, com diâmetro de 90 mm, contém mil gramas de ouro com 99,9% de pureza e vale 10 mil yuans (US$ 1.417,3), e desta moeda em especial, foram colocadas em circulação um máximo de mil peças.

As demais moedas de ouro refinadas e comuns estão disponíveis nos valores de 10 yuans, 50 yuans, 100 yuans, 200 yuans, 500 yuans, 800 yuans, 1.500 yuans e 2.000 yuans. Já as moedas de prata refinadas e comuns vieram nos valores de 10 yuans, 50 yuans e 300 yuans, de acordo com o PBOC.


Edição brasileira de livro de Xi Jinping é lançada em São Paulo

novembro 1, 2019 11:00 am Published by Leave your thoughts

As edições brasileiras do primeiro e segundo volume do livro “Xi Jinping: A Governança da China” foram lançadas em São Paulo antes da 11ª Cúpula do BRICS, que será realizada em Brasília em novembro. O lançamento contou com mais de 260 convidados, incluindo Liang Yanshun, vice-chefe do Departamento de Comunicação do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh); Chen Peijie, cônsul-geral chinesa em São Paulo; e João Doria, governador do estado de São Paulo.

Durante o evento, que aconteceu no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, Liang disse em seu discurso que o livro reflete a evolução e os principais pensamentos de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas para a Nova Era. A obra também mostra o caminho de desenvolvimento da China e as suas soluções para alguns desafios comuns da humanidade.

Liang explica que a publicação da obra injetará nova vitalidade nos esforços China-Brasil para fortalecer os intercâmbios em governança e traçará um novo curso para os laços bilaterais. Chen, por sua vez, disse que o livro também fala das abordagens da China para manter a paz mundial e promover o desenvolvimento humano. Para ela, o texto ajudará os brasileiros a entenderem melhor as ideias e posições da China relativas a assuntos internacionais, assim como suas políticas e práticas diplomáticas.

Já Doria revelou ter se sentido honrado com a realização do evento de divulgação em São Paulo. O governador observou que a China estabeleceu um exemplo em governança nacional e desenvolvimento econômico e sugeriu que os brasileiros estudem o livro, para tirar inspiração das experiências chinesas em enfrentar diversos desafios.

O evento foi realizado conjuntamente pelo Departamento de Comunicação do Conselho de Estado da China, pela embaixada chinesa no Brasil, pelo Grupo de Publicação Internacional da China e pelo consulado geral chinês em São Paulo.


Lucro da principal cervejaria da China aumenta 23% entre janeiro e setembro

novembro 1, 2019 9:51 am Published by Leave your thoughts

A Tsingtao Brewery Co., principal cervejaria da China, registrou um aumento de 23,2% em seu lucro líquido durante os primeiros nove meses do ano, quando comparado ao mesmo período de tempo do ano passado. O valor total do lucro líquido entre os meses de janeiro e setembro foi de 2,59 bilhões de yuans (cerca de US$ 367 milhões), pelo que a empresa informou em um relatório enviado à Bolsa de Xangai. Enquanto isso, sua receita aumentou 5,3% nesse mesmo período, em relação ao ano anterior, chegando a 24,9 bilhões.

Durante esses três primeiros trimestres, a Tsingtao Brewey, listada em Xangai e em Hong Kong, vendei 7,2 milhões de kl de cerveja. As vendas da sua principal marca, a Tsingtao Beer, atingiram 3,53 milhões de kl, tendo um crescimento de 3,1%. A empresa revelou ter explorado ativamente os mercados interno e externo e otimizado a estrutura de seus produtos.

A cervejaria tem 116 anos e atualmente leva as suas bebidas para mais de 100 países. No ano passado, as suas vendas cresceram mais de 50% em 11 mercados externos.


China impulsionará serviços de medicina tradicional chinesa

outubro 31, 2019 7:00 pm Published by Leave your thoughts

Os serviços da medicina tradicional chinesa (MTC) poderão ser desfrutados em todas as comunidades do país asiático até 2022, de acordo com uma diretriz publicada recentemente pelo Comitê Central do Partido Comunista da China e pelo Conselho de Estado. O documento prevê que serão feitos esforços para garantir que todos os centros de saúde e clínicas comunitárias nas aldeias do país ofereçam serviços de medicina tradicional chinesa até 2022.

No final de 2018, 98,5% dos centros comunitários de saúde e 97% das clínicas dos povoados do país começaram a oferecer serviços de MTC, segundo a Administração Nacional de Medicina Tradicional Chinesa. A diretriz, que também incentiva as operações em cadeia, diz que devem ser feitos grandes esforços para desenvolver clínicas de MTC e hospitais especializados.

Os serviços de MTC devem ser digitalizados na internet, construindo um banco de dados de prontuários e prescrições médicas, enquanto são desenvolvidos hospitais online de medicina tradicional afiliados a instituições médicas. O documento apoia que os médicos de MTC aposentados ofereçam serviços em instituições de nível e indica que o treinamento dos profissionais de saúde das áreas rurais será aprimorado.


Plano de desenvolvimento verde do delta do Rio Yang-Tsé é aprovado

outubro 31, 2019 5:32 pm Published by Leave your thoughts

 

Um plano para construir uma zona de demonstração no delta do Rio Yang-Tsé sobre o desenvolvimento amigável com o meio ambiente foi aprovado pelo Conselho de Estado da China nessa semana. Elaborado pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, o plano envolverá os governos locais do município de Xangai e das províncias de Jiangsu e Zhejiang, pelo que disse o comunicado divulgado no site do governo chinês.

O documento ainda diz que devem ser realizados mais esforços para integrar a economia verde, uma vida de alta qualidade e o crescimento sustentável e abrir um novo caminho de cooperação e intercâmbio por meio de fronteiras administrativas, para que os avanços ecológicos e o desenvolvimento socioeconômico sejam complementares.

O Conselho de Estado também pediu que os governos de Xangai, Jiangsu e Zhejiang melhorem o mecanismo de trabalho e formulem políticas de apoio para garantir a execução do plano conforme previsto. Os departamentos relacionados do Conselho de Estado deverão reforçar a coordenação do plano e oferecer uma orientação e apoio ativos para a construção da zona de demonstração.


China deve lançar sonda Chang’e-5 em 2020

outubro 31, 2019 9:45 am Published by Leave your thoughts

A China tem planos para lançar sua nova sonda lunar Chang’e-5 em 2020, para que ela traga amostras da Lua de volta à Terra, pelo que disse Wu Weiren, projetista-chefe do programa de exploração lunar e membro da Academia Chinesa de Engenharia, na Assembleia de Ciência Espacial da China. Para enviar a nave ao espaço será usado o foguete transportador Longa Marcha-5, que atualmente é o maior veículo de lançamento da China.

O segundo lançamento do Longa Marcha-5 aconteceu no Centro de Lançamento Espacial de Wenchang, província meridional de Hainan, em 2 de julho de 2017, mas houve um mau funcionamento menos de seis minutos após sua decolagem. Segundo Wu, os engenheiros espaciais chineses passaram mais de dois anos procurando a causa do mau funcionamento e atualmente o terceiro foguete do modelo está sendo transportando para a base de Wenchang para um outro voo, cujo sucesso será chave para mais missões espaciais chinesas no futuro.

Wu afirmou que a nova sonda lunar tem um módulo lunar, um orbitador, um ascendente e um retornador. O objetivo da missão será o recolhimento de amostras lunares, decolagem na Lua, encontro e atracagem no óbito lunar e reentrada de alta velocidade na atmosfera da Terra. O atual programa lunar da China é dividido em três fases: orbitar, pousar e retornar, sendo que as duas primeiras já foram realizadas. Para cumprir a próxima, a sonda Chang’e-5 será lançada para trazer 2 kg de amostras lunares de volta à Terra.

A China também está elaborando o plano para a quarta fase do programa de exploração lunar. Nela, a China realizará detecção científica na região do polo sul da Lua, usando principalmente robôs de alta inteligência e realizará exploração a longo prazo no complicado ambiente lunar, explicou Wu, que acrescentou que podem haver algumas crateras antigas e água congelada no polo sul da Lua, o que tem um grande valor para a pesquisa.