Autor: Administrador

Xinjiang expande área de teste para arroz de solo salino

junho 7, 2019 4:00 pm Published by Leave your thoughts

A equipe de pesquisa e desenvolvimento do arroz salino de Yuan Longping, que é uma prestigiada pioneira em arroz híbrido, está expandindo a sua escala de plantio na margem ocidental do deserto Taklimakan, na Região Autônoma de Cinjiang, na China. Este ano, a área de campo de teste, na vila de Bayiawati, distrito de Yopurga de Kashar, foi ampliada para 20 ha, ante os 5,3 ha do ano passado, pelo que informou Cao Zhishun, líder da equipe.

Cao afirmou que a salinidade do solo local é de cerca de 1,7% e seu pH é acima de oito, o que indica um alto grau de salinidade. “O arroz de solo salino pode melhorar o solo e reduzir a salinidade, transformando-o em terra fértil entre três e cinco anos”, explicou.

A vila tem um total de 1.000 ha de solo salino que é completamente inadequado para o plantio, pelo que disse Alimjan, chefe da vila. No ano passado, a safra dos campos de teste excedeu a expectativa da equipe de Cao, tornando-os mais confiantes sobre o potencial do seu arroz. Segundo Cao, cerca de 1.333,3 mil hectares, ou 30% das terras cultiváveis de Xinjiang, são salinos em graus variados, e o arroz salino tem grande importância para melhora do solo.


Província chinesa produtora de carvão investe em novas energias

junho 7, 2019 1:00 pm Published by Leave your thoughts

Shanxi, a província chinesa que mais produz carvão no país, intensificou o seu desenvolvimento de novas energias, com o objetivo de impulsionar a sua economia sem prejudicar o meio ambiente. A capacidade instalada de geração de energia eólica e solar na província totalizou 20,05 GW no final do mês de maio, o que é 28,5% a mais do que no ano anterior, segundo a sucursal provincial da rede nacional State Grid.

A capacidade total de geração de energia elétrica de Shanxi chegou a 86,87 GW em maio, sendo que a capacidade do setor eólico alcançou 10,9 GW e a do setor solar chegou a 9,15 GW. A nova energia representou 23,1% da capacidade total de geração elétrica da província. No mês passado, a geração de energia elétrica de Shanxi foi de 26,3 bilhões de kW/h, com 2,9 bilhões correspondentes às novas energias.

Hoje em dia, mais edifícios substituíram o carvão por novas energias para alimentar os sistemas de aquecimento durante o inverno. Além disso, essas fontes são vendidas para outras regiões do país como forma de impulsionar suas economias. Shanxi pretende, até 2020, aumentar a sua capacidade total de geração de energia para 110 GW, dos quais 35% devem corresponder a novas energias, segundo um plano de desenvolvimento energético para 2016-2020.

A China como um todo tem utilizado mais formas de energia renovável e melhorado a sua estrutura energética para reduzir as emissões dos gases de efeito estufa e lidar com a poluição do ar.


China espera 2 milhões de viagens por dia durante Festival do Barco do Dragão

junho 7, 2019 11:30 am Published by Leave your thoughts

As próximas Férias do Festival do Barco do Dragão na China, que neste ano vão do dia 7 a 9 de junho, poderão registrar uma média diária de 2,05 milhões de viagens de entrada e saída de turistas chineses e estrangeiros. Segundo a Administração Nacional de Imigração (ANI), se isso realmente acontecer, o país terá uma alta de 7,6% em relação ao ano passado. A entidade acredita que haverá um aumento significativo no volume de passageiros nos aeroportos de cidades como Pequim, Xangai e Guangzhou.

As autoridades preveem que o fluxo médio diário de turistas no Aeroporto Internacional de Pequim, no Aeroporto Internacional de Xangai Pudong e no Aeroporto Internacional Guangzhou Baiyun atinja 80 mil, 109 mil e 52 mil, respectivamente. Estima-se também que os portos nas duas extremidades da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau registrem uma média diária de 80 mil viagens de ida e volta durante esse período.

Mais de 691 mil chegadas e partidas ocorrerão também nos três portos de Luohu, Futian e Huanggang, que ligam o continente chinês a Hong Kong, bem como a estação Kowloon do trem de alta velocidade Guangzhou-Shenzhen-Hong Kong, afirmou a ANI. Já o porto de Gongbei, que liga o continente chinês a Macau deverá ter uma média de 443 viagens de ida e volta por dia, segundo as expectativas das autoridades.

A ANI solicitou às agências de controle de fronteiras que forneçam informações oportunas sobre o fluxo de passageiros e garantam que as viagens sejam seguras e ordenadas para os turistas.


Mourão diz que China é “parceiro estratégico” do governo brasileiro

junho 7, 2019 10:02 am Published by Leave your thoughts

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, afirmou que o governo considera a China um parceiro “extremamente estratégico” e destacou a recepção calorosa que recebeu das autoridades chinesas durante a sua recente visita a Pequim. O comentário foi feito durante um jantar, organizado pelo deputado Fausto Pinato, no Clube Militar de Brasília, em que ele foi homenageado, e entre os presentes estavam autoridades como os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Agricultura, Tereza Cristina, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, entre outros deputados e senadores.

Em discurso aos presentes, Mourão, que também é presidente da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), disse que no final de 2018 ele recebeu, do presidente Jair Bolsonaro, a missão de reativar a Comissão que “estava adormecida” desde 2015. “Naquele momento, o presidente me deu duas diretrizes muito claras: que a COSBAN voltasse a funcionar e se tornasse o mecanismo de mais alto nível na relação entre os dois países com uma reunião no primeiro semestre e que entregássemos ao governo chinês uma mensagem política firme, de nosso presidente, dizendo que consideramos a China um parceiro extremamente estratégico”, afirmou.

Ao falar sobre a visita a Pequim, que ocorreu entre os dias 19 e 24 de maio, o vice-presidente disse que o tratamento do governo chinês foi o mais leal e camarada possível. “A delegação brasileira ficou extremamente honrada pela forma amiga, pela consideração com que fomos recebidos. Principalmente pela forma que discutimos todos os pleitos oriundos não só do nosso governo, como também do governo chinês”, explicou.

Durante a recepção em Brasília, Mourão foi condecorado com a medalha 2019 da Amizade Brasil-China, o que, segundo ele, o deixou muito emocionado. “Tudo o que vamos buscar com o governo do presidente Bolsonaro é o bem-estar da população brasileira e, mais ainda, nossa inserção de forma altaneira, soberana, flexível e pragmática no concerto de todas as nações”, concluiu.


Um dragão na educação superior

junho 6, 2019 5:01 pm Published by Leave your thoughts

Em outubro deste ano, a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) embarca rumo a um novo destino com o objetivo de compartilhar experiências e conhecer boas práticas pedagógicas e gerenciais adotadas por instituições de educação superior mundo a fora. A 3ª Delegação ABMES Internacional aterrissará na China, onde terá a oportunidade de conhecer universidades em Pequim, Xangai, Hong Kong e Macau, e também aprender um pouco mais sobre as tradições e cultura locais.

A iniciativa integra o programa ABMES Internacional, desenvolvido desde 2017 e que contempla uma série de ações estratégicas com o propósito de orientar as instituições de educação superior (IES) do Brasil sobre a internacionalização do ensino, a cooperação entre universidades e associações brasileiras com entidades semelhantes ao redor do planeta e promover a Associação para outras nações e continentes.

O ponto de partida para a idealização do ABMES Internacional foi a convicção de que a internacionalização consiste em um elemento fundamental para o desenvolvimento da educação superior no Brasil. Este, aliás, é o objetivo de todas as ações realizadas pela Associação, que incluem a busca permanente por tecnologias sociais e educacionais capazes de aprimorar o processo educacional brasileiro.

E foi por isso que, em 2017 e em 2018, a ABMES levou para a Rússia e para Israel, respectivamente, não apenas representantes das IES, mas também do Congresso Nacional e do Ministério da Educação (MEC) visando cooperar para a disseminação de novas práticas, soluções e visões capazes de incidir na formulação de políticas públicas voltadas para a melhoria do ensino superior ofertado no Brasil.

Os quase dezessete mil quilômetros que serão percorridos até a China se justificam pela busca da compreensão sobre como as instituições particulares brasileiras podem contribuir para que o país avance nos seus índices de produtividade, competitividade e inovação a partir da oferta de conteúdos e estruturas educacionais que colaborem para a construção de novos paradigmas na esfera da educação superior.

A escolha da China se deu, em grande parte, por conta dos progressos ocorridos nas últimas décadas e que transformaram o país em uma potência em diversas áreas, inclusive nos campos da educação e da inovação. As similaridades entre ambas as nações, como o tamanho continental, o crescimento do setor particular de educação superior e o boom das startups chinesas, foram outros pontos considerados na escolha. Aliado a isso, recentemente foi criada em Pequim uma faculdade dedicada ao ensino do português associado a conhecimentos mais aprofundados sobre os países lusófonos visando o incremento do intercâmbio internacional.

Outro aspecto que a torna um destino atraente para o grupo composto por representantes de mais de 15 faculdades, centros universitários e universidades de todo o Brasil é a vocação do país para a internacionalização das suas instituições de ensino. Hoje, a China é o terceiro destino mais popular do mundo para estudantes estrangeiros, atrás apenas dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Os números mais recentes apontam que cerca de 490 mil estudantes internacionais estavam matriculados em universidades chinesas em 2017 (10% a mais do que em 2016), com destaque para os sul-coreanos, tailandeses e paquistaneses. No Brasil, dos 16.528 estrangeiros que frequentavam as instituições de educação superior naquele ano, apenas 259 eram chineses.

Por isso, ao visitar algumas das principais universidades do gigante asiático, a delegação internacional pretende estreitar relacionamentos e construir pontes entre as instituições de ambos os países visando ampliar o intercâmbio de estudantes e docentes, além do desenvolvimento conjunto de projetos e pesquisas.

Para contribuir, durante a delegação serão assinados termos de cooperação entre a Associação e instituições chinesas, a exemplo do que foi feito na Rússia e em Israel. Tratam-se de documentos que facilitam o diálogo entre as instituições daquele país e as associadas da ABMES, que hoje representam mais de 2.500 unidades educacionais em todo o Brasil, respeitando as características e particularidades de cada universidade.

Serão quinze dias de trabalho intenso, mas também de congraçamento entre o grupo e de visitas a locais únicos como a Muralha da China e a Cidade Proibida, pois conhecer parte da história e da cultura locais não só amplia a bagagem individual de cada participante, mas contribui para que o setor particular de educação superior compreenda melhor as bases sobre as quais aquela sociedade foi construída e que ainda hoje refletem na sua forma de educar e de estabelecer parcerias.

Segundo a mitologia, o dragão chinês foi um dos quatro animais sagrados que participaram da criação do mundo e tem a sabedoria entre seus simbolismos. Não há dúvida de que a China contemporânea absorveu dessa sapiência para transformar-se na atual potência global que representa. Ao embarcar rumo a essa fonte de inspiração que mistura tradição e modernidade, são grandes as expectativas do setor com relação aos resultados da 3ª Delegação ABMES Internacional. É com esse espírito que o grupo embarcará em 10 de outubro de 2019 rumo ao outro lado do planeta. Não haveria como ser diferente.


Logo dos 70 anos da fundação da República Popular da China é divulgado

junho 6, 2019 3:00 pm Published by Leave your thoughts

O logo comemorativo do 70º aniversário da fundação da República Popular da China (RPC) foi divulgado no início desta semana pelo Departamento de Comunicação do Conselho de Estado do país. Eventos e atividades educativas temáticas relacionadas aos 70 anos da fundação da RPC em todo o país poderão usar o logo.

O logo é composto pelo número 70 e tem o emblema nacional como elemento central. O número 7 foi desenhado como uma nova página virando na história do país, com o objetivo de destacar as novas imagens das causas do Partido Comunista da China e do país, pelo que o departamento explicou.


Pandas gigantes passam a viver, pela primeira vez, em cidade de planalto

junho 6, 2019 1:00 pm Published by Leave your thoughts

Dois pandas chegaram ao Aeroporto de Caojiapu em Xining, província de Qinghai, no início dessa semana, tendo se tornado os primeiros pandas a viver nesta cidade de planalto. Chamados de Hexing e Shuangxin, os pandas vieram da Base para Pesquisa de Criação de Pandas Gigantes de Chengdu. Após chegarem na cidade, eles foram transportados para o Zoo Selvagem do Planalto Qinghai-Tibete.

Outros dois pandas deverão chegar ao zoológico ainda esta semana, segundo a administração do lugar. Para que eles se adaptem melhor ao clima e ao ambiente do Planalto Qinghai-Tibete, o zoo estabeleceu espaços individuais internos e externos, além de uma área de descanso para cada panda. A instalação ainda conta com um compartimento de 30 m² para armazenar bambus frescos, e para garantir o seu frescor, a planta será transportada por aviões.

A Província de Qinghai vai lançar uma série de atividades educativas sobre os pandas gigantes nos próximos três anos, e a casa dos pandas no Zoo Selvagem do Planalto Qinghai-Tibete está programada para abrir ao público ainda neste mês.


Diplomata chinês nos EUA diz que a cooperação é a única saída para os dois países

junho 6, 2019 11:00 am Published by Leave your thoughts

O cônsul-geral da China em Houston, Li Qiangmin, afirmou que a cooperação é a única escolha correta para a China e os Estados Unidos e que um conflito apenas prejudicaria ambos os lados. Tais observações foram feitas no discurso que o cônsul-geral realizou na abertura da Cúpula 2019 China-Sul dos EUA, que foi co-sediada pela Associação de Ex-alunos de Tsinghua em Houston e pela Associação de Ex-alunos da Universidade de Pequim em Houston.

Dada a diferença dos dois países nas suas fases de desenvolvimento e sistemas econômicos, é inevitável que os dois lados experimentem diferenças e fricções em sua cooperação comercial, disse Li. “Por meio de uma atitude racional e cooperativa, os dois países conseguiram solucionar conflitos anteriores, reduzir as diferenças e amadurecer a relação comercial bilateral através do diálogo e consulta”.

A reunião, que foi dedicada à celebração do 70º aniversário da fundação da República Popular da China e do 40º aniversário das relações diplomáticas China-EUA, atraiu cerca de 200 estudiosos, representantes comerciais e ex-alunos da Universidade Tsinghua e da Universidade de Pequim para discutirem sobre educação, energia, serviços de saúde e investimento entre os outros assuntos.

Dong Wang, presidente da Associação de Ex-alunos de Tsinghua em Houston, disse que os ex-alunos das duas universidades estão comprometidos com os intercâmbios e cooperação China-EUA e têm dado contribuições para as relações entre os dois países.

Wendy Zhao, presidente da Associação de Ex-alunos da Universidade de Pequim em Houston, disse que não importa as transformações de retórica política, a tendência de colaboração e comunicação internacionais não pode ser interrompidas. “Nós acreditamos que as tensões são apenas temporárias. Como parte da comunidade internacional, nós jamais pouparemos esforços para promover entendimentos e comunicações entre ambos os lados”.


Xi Jinping fala sobre importância da separação do lixo

junho 6, 2019 9:22 am Published by Leave your thoughts

O presidente da China, Xi Jinping, falou sobre a importância dos esforços para cultivar o bom hábito da classificação do lixo, com o intuito de melhorar o ambiente de vida, além de contribuir para o desenvolvimento verde e sustentável. Ele, que também é secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh) e presidente da Comissão Militar Central, fez o comentário numa instrução sobre a classificação do lixo.

“A classificação do lixo está relacionada ao ambiente de vida da população e ao uso de recursos. É também uma importante materialização do nível de civismo”, apontou Xi. Ele ainda ressaltou que a chave para a implementação da seleção de resíduos é intensificar a administração científica, criar um mecanismo com esforços duradouros e cultivar o hábito de separar o lixo.

Segundo Xi, a China deve fortalecer a orientação, adotar medidas para melhorar as condições legais e fazer esforços contínuos, detalhados e concretos. “Educação e orientação extensivas devem ser concretizadas para conscientizar as pessoas sobre a importância e necessidade da classificação do lixo”.

Em dezembro de 2016, Xi presidiu uma reunião do grupo dirigente central para assuntos financeiros e econômicos, com a intenção de estudar a introdução da classificação do lixo em todo o país. Ele também fez viagens de campo para conhecer o trabalho de seleção de lixo em nível comunitário e apresentar exigências para a tarefa.

Até o fim de 2020, sistemas de classificação de lixo serão construídos em 46 importantes cidades chinesas. O prazo para a implementação de tais sistemas em todas as cidades de nível distrital e superior é 2025.


China pode ser tornar grande mercado de queijos

junho 5, 2019 10:30 am Published by Leave your thoughts

Tradicionalmente a China não é conhecida por ser um país que consome muito queijo, mas isso está fermentando um mercado que tem um grande potencial, uma vez que mais e mais chineses começam a desfrutar do alimento tradicionalmente consumido no ocidente. Atualmente o consumo médio atual de queijo no país é de 100g, enquanto, na União Europeia, é de cerca de 18,7 kg, de acordo com Li Defa, diretor da Associação de Laticínios da China.

A China produz mais de 20 mil ton de queijo por ano, e as crescentes demandas têm impulsionado o crescimento das importações por 13 anos consecutivos. Em 2018 foi importado um total de 108 mil ton de queijo foi importado em 2018, de acordo com Yu Kangzhen, vice-ministro da Agricultura e dos Assuntos Rurais.

As vendas da maior produtora de queijo da China, a Milkground, aumentaram mais de 500% no final de maio deste ano e, segundo Yu, o setor de queijos pode se tornar em um emergente mercado de consumo e contribuir para o crescimento do setor de lácteos do país.