Autor: Administrador

Viabilizando negócios chineses no Brasil

setembro 30, 2019 8:00 pm Published by Leave your thoughts

China Hoje – Siemens no Brasil

As relações econômicas entre a China e o Brasil cresceram de forma significativa nos últimos anos. Em 2001, o comércio bilateral entre os países foi da ordem de 1 bilhão de dólares. Em 2018, esse valor chegou a 100 bilhões de dólares. Ainda que seja robusto, e que a parceria seja a principal relação comercial do mundo em desenvolvimento, há espaço para crescimento. Mais importante: há espaço para uma transformação nessa relação.

Na base dessa mudança, algumas condições especiais nos dois países. Em 2013, a China anunciou planos de intensificar a internacionalização de sua economia, em uma iniciativa denominada Nova Rota da Seda. Como há dois mil anos, quando os chineses expandiram seu comércio por diversos países da Ásia, no rumo da Europa, novamente o foco é buscar mercados de alto potencial. Pelo lado do Brasil, um momento de abertura comercial, investimento em infraestrutura, atração de capital, simplificação de regras de negócios e melhoria do ambiente comercial.

O secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo chama atenção para um desafio. “A nova fase de relações entre Brasil e China precisa considerar o gigantesco potencial da China como investidor no exterior para que o Brasil possa endereçar muitos dos problemas de falta de infraestrutura do País”, acrescenta Troyjo. É nesse novo ambiente que as instituições brasileiras têm a oportunidade de atrair o investimento chinês.

Como as empresas estão fazendo isso?

“O mundo chinês privilegia harmonia e planejamento. O investimento da China no Brasil ganhou proporções muito relevantes para o Brasil. Nos últimos anos, descobrimos que os investidores chineses se comportam de maneira absolutamente profissional e eles descobriram que o Brasil é um excelente ambiente para investir, com modelos regulatórios que suportam a longevidade dos seus projetos”, comenta André Clark, presidente e CEO da Siemens no Brasil.

A Siemens é uma multinacional alemã com fortes raízes no Brasil. A empresa está no País há mais de 150 anos, quando realizou seu primeiro projeto, ainda no século 19. De lá para cá, esteve envolvida em alguns dos mais relevantes projetos dos setores de energia, infraestrutura e indústria do Brasil. Sua presença global e seu portfólio abrangente têm sido importantes diferenciais na concepção e na execução de projetos de infraestrutura como esses, que tanto o secretário Troyjo quanto o presidente André Clark mencionam. Na área de energia, por exemplo, os desafios são muitos no Brasil, desde a prospecção até o monitoramento de redes em operação, passando por soluções que reduzem o consumo e o custo da energia.

Um projeto recente desenvolvido pela Siemens nesse setor foi realizado no Egito, que teve sua capacidade de fornecimento de energia aumentada em 40% graças à instalação de um complexo com três centrais elétricas de ciclo combinado, mais 12 parques eólicos. Recebido em 2015, este se tornou o maior projeto da história da Siemens e serve como modelo para a construção de infraestruturas desse tipo em todo o mundo. Além da magnitude do projeto, ele também se destacou pelo prazo: apenas 18 meses depois da assinatura do acordo, a população egípcia já se beneficiava da energia gerada pelo megaprojeto.

Localmente, a Siemens também tem estado à frente de projetos altamente significativos no segmento de energia. Um deles foi o aprimoramento no acesso à energia elétrica da população da Bolívia, com a expansão de três centrais termelétricas: Termoeléctrica del Sur, Termoléctrica de Warnes e Termoléctrica Entre Ríos. Esse projeto de longo prazo faz parte de um programa estratégico do governo boliviano que visa transformar o país andino em um polo energético regional, consumindo soluções da Siemens como turbinas a gás e a vapor, geradores, transformadores, sistemas de instrumentação e controle, além de serviços e treinamento.

E os riscos?

Investir no Brasil é optar por um mercado de alto potencial, mas não imune a riscos. “Quem observa a cotação do real percebe a alta flutuação da moeda brasileira e esse dado pode afetar todo o cálculo e determinar um investimento”, observa Wolfgang Beitz, CFO da Siemens no Brasil. “Ter uma empresa como a Siemens, que conhece o mercado, que pode oferecer uma solução totalmente customizada, pode ser muito interessante. Nós queremos não só entregar produtos e serviços, mas uma solução completa”, acrescenta Beitz.

Esse conceito expresso pelo executivo, para a Siemens, não está apenas no campo da idealização. Recentemente, a empresa fechou contrato para implantar um projeto cujo modelo vai ao encontro dessa proposta. Uma das maiores produtoras de resinas termoplásticas das Américas, localizada no estado de São Paulo, planejou um grande projeto de eficiência energética, baseado no uso eficiente do gás oriundo de seus processos industriais. A empresa aceitou a proposta da Siemens, que irá assumir a construção, a operação e a manutenção de uma planta de alta tecnologia, responsável pela produção da energia pretendida no projeto original.

“Quando um investidor estrangeiro opta por instalar um novo negócio no Brasil, o fornecimento de energia pode ser uma das etapas mais desafiadoras. Com um modelo desse tipo, a Siemens assume não mais o simples fornecimento de equipamentos. Assumimos a produção de energia para esse novo empreendimento, a um custo fixo para o cliente que pode, desta forma, focar no seu core business”, conclui o CFO.


China busca estabilizar produção de cereais até 2020

setembro 30, 2019 7:00 pm Published by Leave your thoughts

A China planeja estabilizar a sua produção anual de cereais em mais de 600 bilhões de kg até 2020 para garantir a autossuficiência básica do país em cereais, além da segurança absoluta de alimentos, pelo que diz o Relatório do Progresso da China sobre Implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (2019), emitido pelo Ministério das Relações Exteriores do país.

O país também fará esforços duradouros para garantir uma área total de terras cultivadas básicas permanentes de 1,546 bilhão de mu (103 milhões de hectares), ou acima, e uma área semeada de cereais de mais de 1,65 bilhão de mu, segundo o relatório.

O documento diz que a China fez progressos positivos rumos à meta relevante de desenvolvimento sustentável na área agrícola, com produção estável de cereais, melhorando constantemente a qualidade e a segurança dos produtos agrícolas, ao acelerar o desenvolvimento verde e a melhor proteção e utilização de espécies agrícolas. Desde 2015, a produção anual de cereais do país permaneceu estável, com mais de 650 bilhões de kg por quatro anos consecutivos e volume per capita de cereais acima de 450 kg.

O relatório reconheceu vários desafios no caminho da China para o desenvolvimento agrícola sustentável, como uma grande população com recursos naturais per capita para agricultura abaixo das médias mundiais. As principais tarefas do país são garantir o fornecimento eficaz de alimentos, promover o desenvolvimento equilibrado da nutrição e planejar como um todo e coordenar a produção e o consumo.

Várias prioridades nas políticas futuras foram delineadas no relatório, entre elas a estratégia de preservar a capacidade de produção de cereais através de rotação da terra e por meio de novas tecnologias, avançando a reforma do sistema de direitos coletivos de propriedades rurais, promovendo o desenvolvimento verde da agricultura e fortalecendo a cooperação internacional no desenvolvimento agrícola.


China diz que jamais buscará a hegemonia

setembro 30, 2019 5:29 pm Published by Leave your thoughts

De acordo com o livro branco “A China e o Mundo na Nova Era”, que foi emitido pelo Departamento de Comunicação do Conselho de Estado na última semana, a China jamais buscará a hegemonia ou a expansão, e não buscará criar esferas de influência, independente de como o contexto internacional se altere e como a China se desenvolva.

O documento afirma que o país tem anseio em se empenhar por um ambiente internacional pacífico, que é favorável para o seu próprio desenvolvimento, em proteger a paz mundial e em promover o desenvolvimento comum por meio do seu próprio desenvolvimento. Observando que a paz, o desenvolvimento, a cooperação e os benefícios mútuos são as atuais tendências, o livro branco diz que o caminho de desenvolvimento pacífico da China está de acordo com a tendência da história e a do mundo em geral.

A China está se desenvolvendo e ficando mais forte de forma natural, mas não procura ameaçar, desafiar ou substituir qualquer outro país neste processo, nem buscará a hegemonia, diz o livro branco. “Desde meados do século 19, a China sofreu abusos pelas potências ocidentais com memórias indeléveis de sofrimento trazidos por guerras e instabilidades. O país jamais imporá o sofrimento que passou a outras nações”.


Táxis sem motoristas transportam passageiros no centro da China

setembro 30, 2019 1:17 pm Published by Leave your thoughts

45 táxis equipados com tecnologia de condução autônoma deram início à sua nova fase de testes e começaram a transportar passageiros em Changsha, como parte dos esforços da capital provincial de Hunan para se tornar uma cidade inteligente.

Os carros são Apollo Robotaxis e foram coproduzidos pela gigante chinesa de inteligência artificial Baidu e a montadora nacional FAW Hongqi. Eles são veículos de passageiros autônomos de nível L4, o que significa que são capazes de lidar com a condução sem intervenção humana em condições limitadas. Em abril, a Baidu e outras duas empresas locais criaram uma joint-venture para ajudar a promover o projeto.

Changsha construiu uma zona de teste nacional para veículos conectados inteligentes (ICV, na sigla em inglês) e uma cadeia industrial sólida. A extensão do trajeto experimental pode atingir 50 km até o final deste ano e 135 km no primeiro semestre de 2020.

Nos últimos anos, a condução autônoma se tornou uma das prioridades de investimento da Baidu, que lançou uma plataforma aberta chamada Apollo em 2017 para coordenar os esforços entre setores da área.


Pequim lança serviço ferroviário interurbano para novo aeroporto de Daxing

setembro 27, 2019 5:01 pm Published by Leave your thoughts

Pequim lançou na última quinta-feira (26) parte do serviço ferroviário interurbano de alta velocidade que conecta áreas do centro da capital chinesa ao Aeroporto Internacional de Pequim Daxing, que começou a operar voos nessa semana. O trecho, que vai do aeroporto à Estação Ferroviária Oeste de Pequim, faz parte da linha ferroviária interurbana que liga Pequim à Nova Área de Xiongan, na província vizinha de Hebei.

Segundo o China Railway Beijing Group Co. Ltd., todos os dias 24 trens realizarão o trecho de ida de volta na seção de Pequim, sendo que o primeiro deles sai da Estação Ferroviária Oeste de Pequim às 6h56 e o último sai da estação do aeroporto às 22h50. Os passageiros podem pegar os trens de alta velocidade da estação ferroviária no centro da capital diretamente para o novo aeroporto, com o tempo mais curto de trajeto de 28 minutos.

Zhu Hongfeng, responsável pelo programa ferroviário interurbano da China Railway Design Corporation, afirmou que os serviços de check-in no novo centro de aviação estão localizados a 100 m da saída da estação ferroviária. Já Chen Liyang, líder da equipe do grupo de preparação de estação aeroportuária de Daxing, do China Railway Beijing Group, disse que a linha de trem também oferecerá aos passageiros opções de bilhetes eletrônicos, o que lhes permitirá entrar na estação com escaneamento de códigos QR.

Com uma extensão total de mais de 92 km, a linha recém-construída consiste em duas seções. Além da recém-operacional entre a Estação Liying no distrito de Daxing e o novo aeroporto, a seção que liga o aeroporto à Nova Área de Xiongan entrará em operação até o final de 2020. Os trens circularão na existente ferrovia Pequim-Kowloon entre a Estação Ferroviária Oeste de Pequim e a Estação Liying.

Também começou a operar na última quinta-feira uma linha de metrô urbano que liga o centro de Pequim ao novo aeroporto internacional, que realiza o trajeto entre o terceiro anel austral de Pequim e o aeroporto em apenas 19 minutos. Com mais de 41 km de extensão e atravessando o sul de Beijing, a linha de metrô liga o novo aeroporto à estação Caoqiao, no distrito de Fengtai, onde os passageiros podem fazer a transferência para a linha 10 do metrô.

Localizado a 46 km ao sul do centro da capital, o fluxo de passageiros no novo aeroporto atingirá 72 milhões e a movimentação de carga chegará a 2 milhões de ton até 2025, com 620 mil decolagens e pousos previstos.


Empresa chinesa construirá a represa mais alta do mundo em Xinjiang

setembro 27, 2019 4:10 pm Published by Leave your thoughts

A China Gezhouba Group Co. Ltd. (CGGC) assinou um acordo para assumir a construção de um projeto do controle de água na parte superior do Rio Aksu, na Região Autônoma Uigur de Xinjiang da China. O contrato de parceria público-privada (PPP) entre a empresa e as autoridades locais é de 8,99 bilhões de yuans (US$ 1,26 bilhão) e prevê que o Projeto do Controle da Água Dashixia necessita de uma represa de até 247 m para domar o Rio Aksu, o que fará com que ela seja a represa mais alta do mundo.

O Rio Aksu, se reúne com o Yarkant, o Hoten e outros rios, formando o Rio Tarim, o maior rio interior da China. Chen Dongming, vice-diretor da administração do Vale Tarim, disse que o represamento do Rio Aksu precisaria de uma altura de parede equivalente a um edifício de 80 andares, o que criaria um reservatório com capacidade de armazenamento de 1,17 bilhão de m³.

O projeto multifuncional de controle de água deve levar oito anos e meio para ser construído e tem o objetivo de facilitar o suprimento de água, a irrigação e o controle de inundações na bacia hidrográfica. Sua capacidade hidrelétrica instalada será de 750 mil kW e capacidade de gerar 1,89 bilhão de kWh de eletricidade por ano, afirmou Chen.

A CGGC venceu a licitação para o maior projeto de conservação hídrica na Bacia do Rio Tarim em junho. Com o seu contrato de PPP, a empresa obteve um período de franquia de 40 anos para operar o projeto após sua conclusão. Esse projeto está listado entre os principais projetos hidráulicos da China para conservação e suprimento de água aprovados pelo Conselho de Estado.

Afiliada à China Energy Engineering Group Co., Ltd., a CGGC está sediada na cidade de Wuhan. A corporação é conhecida como a principal construtora do projeto das Três Gargantas.


China adota ações urgentes para combater a mudança climática

setembro 27, 2019 1:00 pm Published by Leave your thoughts

Ações urgentes estão sendo colocadas em prática pela China com o intuito de combater a mudança climática. De acordo com o Relatório do Progresso da China sobre a Implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, o país adotou políticas efetivas para fortalecer a resposta, demonstrando o seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e a transformação para uma economia ecológica de baixo carbono.

O documento, que foi divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores, observa que o país aumentou os seus esforços na prevenção de desastres, mitigação e alívio, se tornando cada dia mais resiliente à mudança climática. Por outro lado, a China perseverou com o desenvolvimento de baixo carbono, alcançando resultados positivos no controle de emissões de gases de efeito estufa. Em 2018, a intensidade de carbono do país caiu cerca de 45,8% ante 2005, superando a meta de redução de 40% a 45% até 2020.

O governo chinês também intensificou as campanhas de conscientização e de defesa sobre mudanças climáticas e desenvolvimento de baixo carbono, o que resultou num aumento no compromisso de toda a sociedade em resposta às mudanças climáticas. O país é um participante ativo na governança do clima global, tendo ajudado a promover e fortalecer a cooperação climática internacional e avançado em suas soluções como contribuição à resposta às mudanças climáticas globais.

O relatório diz que ainda há espaço para melhorar o desenvolvimento institucional e a capacidade essencial, sublinhando que os próximos passos devem ter três prioridades: promover o desenvolvimento de baixo carbono em importantes áreas, proativamente se adaptar à mudança climática e conduzir extensivamente a cooperação internacional.


Lago chinês recebe o primeiro bando de aves migratórias

setembro 27, 2019 12:00 pm Published by Leave your thoughts

O primeiro bando de pássaros migratórios já chegou ao Lago Poyang, o maior lago de água doce da China, localizado na província de Jiangxi. O local é procurado pelas aves no inverno como forma de sobrevivência. Segundo funcionários da Administração da Reserva Natural Nacional do Lago de Poyang, 27 gansos selvagens foram avistados durante uma patrulha na região do distrito de Duchang, uma parada importante durante as viagens das aves rumo ao Poyang.

Os registros mostram que o primeiro bando de aves chegou cinco dias antes em comparação com ano passado, marcando o início do inverno para os pássaros migratórios no local. Conhecido como o “paraíso das aves migratórias”, o Lago Poyang é uma área importante para os pássaros aquáticos da Ásia.


Explorador do lado oculto da Lua descobre substância misteriosa

setembro 27, 2019 11:00 am Published by Leave your thoughts

O Centro de Exploração Lunar e Programa Espacial da Administração Aeroespacial Nacional da China anunciou que o veículo de exploração lunar chinês Yutu-2 descobriu uma substância não identificada numa cratera de impacto no lado oculto da Lua. Segundo o centro, a descoberta foi feita durante o nono dia lunar de exploração do Yutu-2.

Os controladores terrestres projetaram uma rota de condução para o veículo explorador, permitindo que ele realize a detecção científica da profundidade da cratera de impacto e classifique as matérias ejetadas, pelo que disse o órgão. “Espera-se que o veículo explorador Yutu-2 nos traga mais surpresas e descobertas científicas”.

Tanto o pousador da sonda Chang’e-4 quanto o veículo explorador Yutu-2 retomaram as suas atividades nessa semana com o início do 10º dia lunar no lado oculto da Lua, após “dormirem” durante a noite lunar, que é extremamente fria por não receber a luz solar.


China lança campanha de promoção à leitura em áreas rurais

setembro 27, 2019 9:51 am Published by Leave your thoughts

A China lançou na última segunda-feira uma campanha para promover tanto a leitura digital quanto a tradicional nas áreas rurais do país. Bibliotecas espalhadas em aldeias de todo o território chinês realizarão sete atividades principais, incluindo a leitura de temas diversificados, a leitura compartilhada e a venda de livros.

O país já estabeleceu 587 mil bibliotecas do tipo até o final de 2018, graças ao Projeto Bibliotecas Rurais, que foi implementado integralmente em 2007. Mais de 1,16 bilhão de livros foram destinados a essas bibliotecas, e 125 mil delas foram atualizadas para fornecer serviços de leitura digital.