Astrônomos descobrem que disco da Via Láctea não é plano

Pesquisadores chineses e australianos desenvolveram uma imagem 3D que mostra que o disco da galáxia na verdade é distorcido e tortuoso longe do centro

Um estudo realizado por astrônomos chineses e australianos, que foi publicado no site da Nature Astronomy, desenvolveu a primeira imagem tridimensional precisa sobre a aparência distorcida da Via Láctea. A imagem mostra que o disco da galáxia não é plano, e sim distorcido e deformado longe do centro.

Até esta imagem, acreditava-se que a galáxia era um disco plano de estrelas que orbitam ao redor de um núcleo central;  no entanto, os pesquisadores descobriram que as regiões mais distantes do centro da galáxia são, na verdade, distorcidas, formando uma estrutura tridimensional.

Chen Xiaodan, principal autor do estudo e pesquisador dos Observatórios Astronômicos Nacionais da Academia Chinesa de Ciências, afirmou que a chave para saber a real aparência da Via Láctea são as distâncias precisas desde o sol até as partes do disco exterior da galáxia.

O modelo do disco galáctico foi estabelecido pelos pesquisadores com base em 1.339 estrelas variáveis que são de 4 a 20 vezes maiores que o Sol, e até 100 mil vezes mais luminosas. Como esses corpos celestes fornecem um alto grau de exatidão de distância, eles foram usados como indicadores primários de distância para que os pesquisadores formassem uma imagem em 3D intuitiva da galáxia.

Com o mapa de distribuição 3D, os pesquisadores puderam perceber que o disco estrelar derivado é na verdade curvado em um padrão progressivamente tortuoso e espiral, em forma de S. Outros estudos comprovaram que a morfologia da trama estelar está de acordo com a da trama da galáxia. “Esta nova descoberta pode nos ajudar a conhecer a forma da Via Láctea e fornecer um importante indício para entender como as galáxias de formaram e evoluíram”, afirmou Deng Licai, coautor do estudo.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.