Aliviar a pobreza pela via verde

Erradicar a pobreza por meio do desenvolvimento ambiental é o caminho do futuro

Agricultor em Liupanshui, Província de Guizhou, busca sair da pobreza por meio do plantio de kiwi

O alívio da pobreza pela via verde é uma abordagem que visa não só alcançar a prosperidade econômica e a preservação ecológica com medidas de erradicação da pobreza: as linhas gerais e as práticas do desenvolvimento verde perpassam toda a campanha de alívio da pobreza, com o objetivo de melhorar o bem-estar dos pobres de maneira sustentável. Da visão à prática, o alívio da pobreza pela via verde está se tornando parte integral dos esforços da China no combate à pobreza.

Manter o equilíbrio

Em algumas regiões pobres da China onde o ecossistema é frágil, as pessoas estão buscando novas maneiras de utilizar os recursos com os quais contam, a fim de melhorar suas vidas. Esses recursos são a terra, as forças de trabalho, os cursos d’água, e as paisagens montanhosas. O alívio da pobreza pela via verde é uma maneira de aumentar os rendimentos, transformando recursos em ativos, capital em ações, e agricultores em acionistas.

O melhor cenário é buscar ao mesmo tempo o desenvolvimento econômico e a proteção ao meio ambiente nas áreas atingidas pela pobreza. O milagre econômico que a China conseguiu nas últimas quatro décadas tem mostrado que o desenvolvimento é a base a partir da qual as pessoas podem se erguer acima da linha da pobreza.

Quando as duas metas não podem ser alcançadas ao mesmo tempo, a conservação ambiental prevalece sobre o desenvolvimento econômico. Isso significa que as áreas pobres devem parar de buscar um crescimento temporário à custa do meio ambiente. Ao se impulsionar a economia local, deve-se dar maior atenção à preservação ecológica.

Para transformar águas limpas e montanhas verdejantes em ativos valiosos, a chave é conceber um plano inclusivo de construção de uma comunidade, onde os seres humanos vivam em harmonia com a natureza. Essa é a linha de orientação abrangente para o desenvolvimento nas áreas atingidas pela pobreza.

Prosperidade verde

Tirar as pessoas da pobreza por meio do desenvolvimento verde é uma decisão tomada com base na realidade de que as pessoas pobres que vivem num ecossistema frágil sempre têm que escolher entre o crescimento econômico e a preservação ambiental. Das áreas em nível de condado em que a ecologia é vulnerável, 76% são afetadas pela pobreza e incluídas no programa de alívio da pobreza e desenvolvimento. A área de terra, a terra arável e a população desses condados pobres que apresentam desvantagem ambiental correspondem respectivamente a 43%, 68% e 76% em relação aos condados chineses como um todo.

Em novembro de 2015, o Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh) e o Conselho de Estado adotaram uma decisão crucial que define o curso para a campanha de alívio da pobreza do país até 2020. Ela pede a implementação de uma visão inovadora, coordenada, verde e aberta de desenvolvimento nos esforços para a redução da pobreza.

O Programa Ambiental das Nações Unidas tem defendido as iniciativas de economia verde desde 2008, tornando-as uma preocupação global. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico começou a introduzir estratégias de crescimento verde naquele mesmo ano. Uma economia verde tendo como pano de fundo um desenvolvimento sustentável e de erradicação da pobreza foi adotada como um dos temas da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada no Rio de Janeiro, Brasil, em 2012. Em 2015, 193 países-membros da ONU aprovaram por unanimidade a Agenda de Desenvolvimento Sustentável 2030.

Grãos processados na vila Xiguo, município de Zhangjiakou, província de Hebei

O compromisso da China com a erradicação da pobreza por meio do desenvolvimento verde é uma reação consistente à agenda que a ONU vem defendendo. Mostrando que a China tem sido proativa em assumir sua responsabilidade como grande país. A partir dessa perspectiva, todas as atividades voltadas para desenvolver áreas atingidas pela pobreza e melhorar a vida dos empobrecidos devem seguir o princípio-guia do desenvolvimento verde.

O governo local do município de Baihuahu, distrito de Guanshanshu, Guiyang, capital da província de Guizhou, no sudoeste da China, tem explorado um caminho bem-sucedido para promover tanto o desenvolvimento econômico quanto a preservação ambiental. Sua prática reflete os esforços que a China vem fazendo para o alívio da pobreza pela via verde.

Província situada entre montanhas, Guizhou é uma das regiões mais pobres da China. A essência daquilo que o município de Baihuahu tem feito é buscar um equilíbrio entre o crescimento econômico e a proteção ambiental. O governo local aproveita ao máximo os recursos naturais e as paisagens característicos da região para incentivar o agroturismo e os negócios relacionados ao chá e às águas minerais. Esse caminho de alcançar prosperidade com base nas condições locais tem se mostrado bem-sucedido.

Medidas a serem adotadas

O presidente Xi Jinping destacou que a China deve acelerar a reforma do sistema a fim de promover o progresso ecológico e construir uma bela China. Para isso, definiu quatro metas – promover o desenvolvimento verde, resolver os problemas ambientais mais prementes, intensificar a proteção do ecossistema e reformar o sistema de regulamentação ambiental.

Para acelerar o desenvolvimento em áreas atingidas pela pobreza, o primeiro passo deveria ser assegurar uma vitória na batalha contra a pobreza. A chave para cumprir as metas de erradicação da pobreza dentro do prazo estipulado, e para tirar todos os condados e pessoas da pobreza, é colocar a visão do desenvolvimento verde em prática e obter ganhos na erradicação da pobreza por meio do desenvolvimento verde, usando medidas eficazes.

Em primeiro lugar, toda campanha de redução da pobreza deve ser guiada por novas visões de desenvolvimento. Para avançar no alívio da pobreza e ao mesmo tempo promover o progresso ecológico, os governos locais devem implementar novas visões de desenvolvimento, respeitar as regulamentações ambientais e mostrar determinação em relação à reestruturação da economia. Deve ser promovido o desenvolvimento com alocação eficiente de recursos, para chegar a um crescimento sustentável. Ao mesmo tempo que se valoriza a proteção ambiental, deve-se dar ênfase à melhoria das condições de vida das pessoas. O sistema de compensação ecológica deve também ser enfatizado.

Participante da Conferência para Redução da Pobreza e Desenvolvimento 2018 FOCAC-África-China visita Bijie, na província de Guizhou

Em segundo lugar, devem ser aplicadas políticas de apoio mais consistentes em relação aos negócios verdes, em linha com o lado da demanda da reforma estrutural. A promoção do progresso ecológico em áreas atingidas pela pobreza está intimamente relacionada com a reforma estrutural do lado da demanda. Com o desenvolvimento verde considerado como foco e um moderno sistema industrial colocado como meta, os governos em áreas pobres devem incentivar os negócios verdes. No aprimoramento das indústrias manufatureiras baseadas em trabalho intensivo, devem aplicar novas tecnologias para melhorar a eficiência do consumo de energia e reduzir as emissões.

Os governos locais devem promover a iniciativa Internet Plus para fomentar negócios verdes que aliviem a pobreza, de modo a ajudar a economia a andar melhor. Devem também dar o melhor impulso possível aos valiosos ativos em água doce, montanhas e ar puro para que setores possam emergir, e ao mesmo tempo manter o desenvolvimento do turismo afinado com a preservação ecológica. Agroturismo e comércio digital são modelos de desenvolvimento recomendados para a promoção da economia verde em áreas rurais.

Na implementação de projetos específicos, os governos locais devem assegurar que o limite para urbanização e os resultados finais para a segurança ecológica e para a proteção das terras cultiváveis permaneçam intocados. A localização, escala e o setor de negócios dos projetos devem ser bem planejados, introduzindo-se um sistema de aprovação rigoroso para conter as emissões de poluentes e o consumo de energia da fonte.

Em terceiro lugar, deve-se defender um estilo de vida verde. Ao combater a pobreza em áreas empobrecidas, os governos locais devem também despertar a consciência geral sobre a preservação ambiental e o estilo de vida verde, para que essas visões possam guiar o comportamento das pessoas na vida diária. Para isso, os governos locais podem dar apoio a produtos e marcas ecoculturais. Para isso, os governos locais podem dar apoio a produtos e marcas ecoculturais. Podem incorporar a consciência sobre o progresso ecológico e o alívio da pobreza fundamentado no desenvolvimento verde na educação pública e no sistema de avaliação de funcionários públicos. O estilo de vida verde deve também ser defendido nas áreas rurais. Além disso, a participação pública e os sistemas de supervisão precisam melhorar a esse respeito. Isso pode ser feito estimulando-se as organizações não governamentais e os voluntários a lançarem campanhas nas comunidades e na educação fundamental.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.