A prática de separar resíduos ganha força

População chinesa se mostra cada vez mais aberta à ideia de classificar e reciclar o lixo doméstico

Depois que a regulamentação revisada sobre classificação de resíduos domésticos entrou em vigor em Pequim em 1º de maio, a separação de dejetos ganhou renovada atenção do público. Nos meses anteriores, regulamentações similares haviam sido introduzidas em muitas cidades chinesas, e com isso a prática se disseminou. Para facilitar a adaptação e aceitação das novas regras, as autoridades locais empregaram métodos criativos para ajudar os cidadãos a fazerem uma classificação adequada e compreenderem os benefícios dessa prática.

Fazer certo – O grande público mostra-se aberto à ideia de classificar resíduos, mas de início houve alguma confusão a respeito da maneira apropriada de fazê-lo, diferenciando “resíduos de cozinha”, “recicláveis”, “resíduos eventuais” e “outros resíduos”. O que fazer quando não se sabe em que latão vai cada resíduo? As pessoas muitas vezes precisam de ajuda para resolver essas questões.

Na rua Sidao do distrito de Qingyang, cidade de Chengdu, província de Sichuan, um trecho de 150 m de uma parede foi coberto por murais com instruções sobre o tema da classificação de resíduos. Nos cartuns, os filhotes de panda gigante que são um símbolo de Sichuan fazem perguntas como, “Por que precisamos classificar os resíduos?” e “Como podemos fazer um uso amigável ao ambiente dos recicláveis?” Em resposta, o professor desses filhotes, o cervo, dá suas orientações. Esse tipo de educação pública não ocupa muito espaço e chama efetivamente a atenção de todos.

As autoridades locais também criaram jogos e outras atividades para incentivar a participação dos residentes. Numa delas, crianças trazem latas para diferentes tipos de resíduos, e veem seus pais tentando colocar os itens certos nas respectivas latas. Desse modo, a classificação de resíduos vai se assentando no cotidiano das pessoas, e o conceito de uma vida verde vai sendo adotado por toda a sociedade.

Xiong Feiyue, um trabalhador comunitário na rua Sidao, observa que graças aos esforços conjuntos, os residentes locais estão se saindo melhor na classificação de resíduos.

Em Pequim, muitas organizações lançaram programas sobre a classificação de resíduos. A Federação das Mulheres, por exemplo, inaugurou em março uma iniciativa chamada “bela casa”, convocando os estudantes locais a produzirem pinturas, cartuns, e usarem outros recursos criativos sobre o tema com seus pais. Feng Yichen da Escola Primária Anwai Santiao criou um programa de computador para distinguir itens que muita gente não sabe direito a que categoria pertencem, como remédios com prazo de validade vencido e embalagens de molho apimentado.

O Baidu, principal motor de busca da China, desenvolveu um app que permite aos usuários encontrar respostas às suas perguntas sobre classificação de resíduos por meio de áudio, vídeo e texto.

Classificar juntos – A classificação de resíduos precisa da participação voluntária de toda a sociedade. Após o jantar, o sr. Wu, que mora na rua Sidao, leva os resíduos da cozinha até as caçambas de sua comunidade. Depois de dispensar os sacos, ele pega seu celular e acessa o QR code da caçamba usando um app cujo nome brinca com a pronúncia chinesa da frase “vamos fazer a classificação juntos”. Com esse escaneamento ele ganha pontos em sua conta, e quando esses pontos somam determinado valor podem ser usados para comprar sacos de lixo e outros itens de uso diário na loja da comunidade.

“Já separávamos o lixo antes, mas não com o empenho com que fazemos isso agora”, disse o sr. Wu. “Agora há uma caçamba para resíduos eventuais, e também podemos ganhar pontos por fazer a classificação.” Existem programas similares em outras cidades que premiam a separação de resíduos com incentivos, e isso permite que os cidadãos sintam benefícios tangíveis da prática.

Comunidades localizadas na área da avenida Chang’an Oeste de Pequim levam isso um passo adiante, integrando a classificação de resíduos com o alívio à pobreza. Os pontos que os residentes ganham podem ser trocados por produtos agrícolas de áreas pobres, por meio do WeChat. Isso fez aumentar muito o interesse dos moradores, e a prática obteve apoio imediato. Oficiais comunitários estão planejando expandir a gama de produtos agrícolas desse programa para aumentar seu apelo.

Classificação em trânsito – O transporte é um elo crucial no processo de descarte dos resíduos classificados. Alguns cidadãos perguntam: “Será que esse lixo que eu tenho tanto cuidado para separar não será misturado de novo no caminhão de lixo?” Para monitorar o transporte dos resíduos, o distrito de Jianggan da cidade de Hanzhou, província de Zhejiang, desenvolveu um sistema inteligente de gestão. Cada caminhão de lixo que opera no distrito tem na sua traseira um sensor com metade do tamanho de uma caixa de sapatos, que mede o peso das latas antes e depois de cada descarga, calculando desse modo a carga de cada operação. A precisão dessa medição é superior a 99%. Os caminhões são equipados com câmeras, que filmam as cores e sinais das latas de resíduos, e também a atividade dos trabalhadores do caminhão. Depois disso, a informação é transferida a um banco de dados para constituírem provas, úteis para a aplicação da lei e para a regulamentação do setor.

Com esse sistema inteligente de gestão, o movimento dos caminhões de lixo é monitorado em tempo real por meio de dispositivos de GPS instalados. Pela comparação disso com as rotas predefinidas, é possível acompanhar todo o processo de coleta de lixo na área. Todas essas informações ficam disponíveis e constituem provas concretas para acertar quaisquer disputas que possam surgir no decorrer da aplicação da lei.

No final da cadeia de descarte dos resíduos ficam as instalações de tratamento e reciclagem. Na fase II do projeto do Centro de Energia Renovável Laogang em Xangai, seis linhas de processamento de lixo úmido estão operando a todo vapor, lidando com 1.200 ton de resíduos por dia. Está em construção também a sua unidade de materiais de construção reciclados, que produzirá por dia 56 mil tijolos que dispensam a ida ao forno. No centro, o lixo doméstico é despejado em máquinas sofisticadas e transformado em eletricidade, tijolos, cimento e outros materiais úteis.

“A classificação de resíduos é um processo integrado, com uma série de etapas interconectadas”, afirma o professor Yuan Xingzhong da Faculdade de Ciência e Engenharia Ambiental da Universidade de Hunan. “Os resíduos devem ser bem separados antes da coleta, transporte e tratamento. Só fazendo isso é que a prática rende reais resultados, que os cidadãos podem ver por si mesmos.” Ele propõe que os produtos feitos de materiais reciclados ostentem rótulos bem visíveis, de modo que os consumidores sintam melhor os efeitos tangíveis da classificação de resíduos.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.