A distância parece vizinhança aos amigos

Já se passaram cinco meses desde que assumi o cargo de Cônsul-Geral da China no Rio de Janeiro. E, durante este período, conheci muitos amigos e colegas de várias

regiões do Brasil, e tive a forte sensação de que a mútua confiança política e estratégica entre os dois países já atingiu um nível elevado no estreitamento das relações bilaterais. No ano de 2016, as colaborações econômicas e comerciais sino-brasileiras se mantiveram estáveis com tendência a melhorias. Até novembro do ano passado, o volume de comércio entre os dois países atingiu 54 bilhões de dólares. O estoque de investimentos da China no Brasil se aproximou de 40 bilhões de dólares. O Brasil já se tornou o maior parceiro comercial e o principal país de destino de investimentos da China na América Latina. Os Jogos Olímpicos Rio 2016 mostraram ao mundo o espírito caloroso, receptivo e tolerante do Brasil, ganhando uma impressão favorável do mundo e atraindo fortemente a atenção do povo chinês, estreitando os intercâmbios e as colaborações das áreas de cultura e cidadania dos dois países.

Em setembro de 2017, o encontro dos líderes do Brics será realizado na cidade de Xiamen, quando os líderes da China e do Brasil se reunirão outra vez elaborando planejamentos de desenvolvimento. O Fórum China-Celac também continuará a promover a parceria cooperativa global entre a China e a América Latina. Sendo o país mais forte da América Latina, o Brasil desempenhará um papel importante no Fórum.

Apesar da longa distância geográfica entre a China e o Brasil, o nosso coração se aproxima. Um poema antigo chinês diz que distância parece vizinhança aos amigos, o que significa que o espaço e a distância não são capazes de eliminar a amizade. A China e o Brasil possuem uma parceria cooperativa estratégica global, são amigos autênticos e que se confraternizam. De certa forma, os dois países já formam uma comunidade de destino, e estão juntos se esforçando por salvaguardar os interesses comuns e a felicidade de ambas as partes, assim como a da comunidade mundial.

Neste momento importante, como Cônsul-Geral da China no Rio de Janeiro recém-chegado, sinto-me honrado, porém ciente da imensa responsabilidade. Já me trato como um carioca, e amo o Brasil e o Rio como minha pátria e terra natal. Não sei por quanto tempo vou trabalhar nesta cidade maravilhosa, entretanto, farei o máximo de esforço possível para consolidar a compreensão, o reconhecimento e a amizade entre os dois povos, para aumentar o nível de facilidades no intercâmbio entre os cidadãos de ambos os países, e para desenvolver as colaborações nas áreas de economia, comércio e finanças, cultura e arte, educação e cidadania, entre outras.

Tenho um sonho, de que as pessoas poderão comer cada vez mais picanha e cupim do Brasil nas churrascarias que se espalham pela China. Ao mesmo tempo, poderão comer massa de Lanzhou e hot-pot de Chongqing nas cidades e bairros do Brasil. Tenho um sonho, de que cada vez mais chineses viajarão pelo Brasil, apreciando a paisagem e a arte típica brasileira. Ao mesmo tempo, cada vez mais brasileiros entrarão na China, conhecendo os recursos naturais e culturais chineses. Tenho um sonho, de que cada vez mais brasileiros estudarão medicina, arte marcial e comida chinesas. Ao mesmo tempo, cada vez mais chineses aprenderão técnicas de futebol brasileiro e a dançar o samba brasileiro. Tenho um sonho, de que o povo terá acesso direto ao canais de televisão chineses nas cidades metropolitanas, incluindo o Rio e São Paulo. Ao mesmo tempo, o povo facilmente assistirá aos programas televisivos brasileiros em Pequim, Xangai, etc.

Tenho mais um sonho, de que o Consulado-Geral da China reforçará a intercomunicação com os demais consulados, deixando a comunidade consular ainda mais vibrante, harmoniosa e afável. Juntos, seremos como pontes que permitem a existência de laços de intercâmbio, compreensão, companheirismo e paz.

As celebrações do Ano-Novo da China no Rio de Janeiro contaram com apresentações de arte marcial chinesa, canções e danças chinesas, acupuntura e massagem da medicina chinesa, comidas típicas, aulas de caligrafia chinesa. O Cristo Redentor se iluminou com luzes vermelhas, mostrando a atitude calorosa e amistosa do povo brasileiro para com o povo chinês, trazendo aconchego aos chineses que residem no Brasil, distantes da pátria. Estes são fatos significativos do desejo sincero de aproximação de nossos povos. A China e o Brasil se abraçam. É com esta memória calorosa do espírito de harmonia e felicidade que marcou as festividades do Ano-Novo Chinês no Rio que desejo a todos os leitores da revista China Hoje um próspero Ano do Galo!


Li Yang é Cônsul-Geral da China no Rio de Janeiro

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.