5G, o futuro chegou

A nova geração de redes digitais irá revolucionar a vida cotidiana

O Congresso Mundial de Celulares 2019 realizado em Xangai em junho de 2019 é até o momento o maior evento internacional coberto por rede 5G

Em 30 de maio, último, a BBC usou pela primeira vez em transmissões ao vivo a rede 5G, recém-lançada pela operadora britânica EE. Quando a câmera fechou um zoom no equipamento Huawei, o animado repórter Rory Cellan-Jones informou aos espectadores que a imagem mostrava o aparelho que tornara possível a primeira transmissão de 5G no Reino Unido. Postagens dos usuários britânicos nas mídias sociais naquele dia mostraram que a velocidade da rede 5G chegou a 980 Mbps.

A nova geração de redes de telefonia celular entrou numa fase crucial de comercialização global, na qual a China tem uma vantagem competitiva. Em 6 de junho, o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China emitiu as primeiras licenças comerciais de telecomunicações – China Mobile, China Telecom e China Unicom – assim como para a China Broadcasting Network Corp, dando início à era 5G no país.

Hora de ter seu celular 5G

Com a popularização da tecnologia 5G, o seu dia poderá transcorrer num futuro próximo da seguinte maneira: quando você acordar de manhã, as cortinas irão correr de lado automaticamente, o colchão inteligente mostrará as estatísticas de qualidade do seu sono aquela noite, a torneira do banheiro já terá aquecido a água à sua temperatura preferida, a cafeteira terá preparado uma bebida com o sabor que você tiver escolhido, e um carro automático estará estacionado do lado de fora da sua casa, esperando por você. Tais cenas de filme de ficção científica serão realidade no futuro próximo com o desenvolvimento das redes 5G.

5G é o nome da próxima geração de redes de telefonia celular. Ela já é conhecida por muitas pessoas por ter uma velocidade de download mais alta e um streaming mais fluente. Além disso, também tem o mérito de proporcionar uma banda mais larga e uma menor latência, que são fatores críticos para muitas aplicações de alta tecnologia, como a condução não tripulada. Se um veículo autônomo não for capaz de receber ou reagir a uma ordem em tempo real, dirigir em alta velocidade apenas aumentará o risco de acidentes. Com a rede 5G, a distância de reação de carros autônomos é de apenas 2,8 centímetros, em comparação com o 1,4 metro da rede 4G.

O que as tecnologias de celular das gerações anteriores têm feito, em termos figurados, é promover expansões na estrada, enquanto a 5G não só tornou a estrada mais ampla mas construiu um atalho, além de reduzir o tráfego, segundo alguns especialistas. Com as redes 4G a conexão interpessoal cresceu; com a rede 5G, houve uma intensificação das conexões pessoa-pessoa, pessoa-coisa e também das conexões coisa-coisa, criando uma era de redes que conectam todas as pessoas a todas as coisas.

No presente momento, as redes 5G estão no processo de realização de testes em várias províncias chinesas, e estiveram disponíveis em alguns megaeventos, como a Cerimônia de Abertura da Festa da Primavera da CCTV (Televisão Central da China) de 2019 e as Duas Sessões, em março. Mas ainda é preciso tempo para que a aplicação seja capaz de cobrir o país inteiro.

Os telefones 4G não recebem sinais 5G, ao passo que os celulares 5G podem receber sinais 4G. Portanto os consumidores precisam de novos dispositivos para se conectarem a esta rede de nova geração. Felizmente para eles, não vão precisar mudar para um novo cartão SIM ou um novo número de telefone, como foi o caso nas transições de 3G para 4G. Isso poupa os usuários de uma série de inconvenientes.

Muitos fabricantes de celulares chineses já lançaram seus modelos 5G. Em fevereiro, o primeiro telefone IA 5G dobrável do mundo, o Mate X da Huawei, fez sua estreia em Barcelona, Espanha, seguido por produtos de outras marcas chinesas como ZTE, OPPO e Xiaomi.

“Um número reduzido de celulares 5G irá entrar no mercado na segunda metade deste ano, mas as vendas em larga escala só irão comerçar no ano que vem. A essa altura, já estaremos desfrutando realmente de serviços 5G com largura de banda maior, melhor qualidade, melhor desempenho e alta inteligência”, afirmou Zheng Yunyong, presidente do Instituto de Pesquisa Unicom da China, em março.

Equipamento da Huawei utilizado na transmissão da BBC

O preço dos serviços 5G é uma das maiores preocupações entre usuários. Quanto a essa questão, Cao Lei, chefe da Seção de Estratégias Tecnológicas da China Telecom, disse: “Nas substituições de tecnologia de 2G, 3G e 4G, podemos ver uma tendência para tarifas mais baixas no trânsito de dados, o que está de acordo com a lei de economia de escala. Mas levará tempo para que se possa reduzir o preço unitário”.

A conectividade maior e a latência mais baixa das redes 5G terão um tremendo impacto a vida das pessoas e no desenvolvimento socioeconômico. Segundo um relatório da Academia de Informação e Tecnologias de Comunicação da China (CAICT, na sigla em inglês), chamado “Contribuição do Setor 5G para a Economia”, estimasse que a aplicação comercial da tecnologia 5G na China irá chegar diretamente em 10,6 trilhões de RMB de receita econômica durante o período de 2020 a 2025, e criar mais de três milhões de empregos.

Uma grande mudança na vida diária

Em 18 de janeiro deste ano, o Hospital Hepatobiliar Mengchao da Universidade de Medicina Fujian de Libertação) baseado em Pequim realizaram os primeiros testes mundiais de cirurgia remota com tecnologia 5G. Dois meses mais tarde, o Centro Médico Nº1 do PLAGH e a filial deste hospital na Província de Hainan, a 3 mil km de distância, concluíram com sucesso a primeira cirurgia de cérebro do mundo controlada remotamente com tecnologia 5G num paciente com doença de Parkison em estágio avançado.

Em 14 de maio, o Hospital do Oeste da China em Chengdu, Província de Sichuan, em cooperação com sua filial no distrito de Longquanyi da cidade e com o Hospital Central Suining localizado a 200 km de distância, realizaram uma cirurgia de demonstração de broncoscopia por fibra óptica, primeira colaboração entre médicos chineses em múltiplas localizações sob a rede 5G. Com esta aplicação mais ampla na China, a tecnologia 5G passará a se envolver em diagnósticos e tratamentos médicos.

“Como está indo o paciente?”

Essa foi a pergunta que um médico usando óculos VR (Virtual Reality, ou realidade virtual) fez a um colega na tela diante dele. “Sinais vitais estáveis, batimento cardíaco 75 bpm e pressão sanguínea 110/65 mmHg”, foi a resposta.

Essa cena é de uma simulação de operação de primeiros socorros num centro de emergências do Segundo Hospital Filiado da Escola de Medicina da Universidade de Zhejiang. Com a tecnologia 5G, vários dados foram transferidos em tempo real de alguns dispositivos numa ambulância para a sala de emergência de um hospital, onde médicos monitoraram em termos multidimensionais as condições do paciente e a reação dos paramédicos na cena por meio de óculos VR.

“Os óculos VR 5G permitem que os médicos vejam o que está acontecendo a milhares de quilômetros, e portanto, possam prover assistência no local para os que trabalham na emergência”, disse Li Qiang, médico em medicina de emergências no Segundo Hospital Filiado da Escola de Medicina da Universidade de Zhejiang.

O emprego de tecnologia 5G também está abrindo novos horizontes de aprendizagem para crianças em áreas montanhosas.

“Por que as batatas de regiões de altitudes elevadas têm sabor melhor do que as que são plantadas aqui?” A professora de biologia Cheng Yamei levantou a questão numa sala de aula da Escola Colegial Tianfu nº7, uma das melhores de Chengdu. Depois de colocar a pergunta, ela fez uma pausa e então escolheu um aluno para respondê-la – um garoto a centenas de km dali, numa escola na Prefeitura Autônoma da Etnia Yi de Loangshan. Ele e seus colegas de classe nesta região subdesenvolvida estavam vendo a mesma aula dada por Cheng, todos com a ajuda de tecnologia 5G e óculos VR.

“Nunca passou pela minha cabeça que pudéssemos ter aulas de biologia e ciências desse modo. Na hora em que coloco óculos VR, sinto como se estivesse num mundo totalmente diferente”, disse Aer Axia, estudante da Escola Liangshan. “Mal posso esperar pela próxima aula, imaginando o que os professores em Chengdu irão nos ensinar”.

Este é um exemplo de tecnologia 5G permitindo compartilhar recursos educacionais básicos entre estudantes de diferentes localidades. “No futuro, iremos abrir classes de 5G na nuvem para estender nosso ensino a mais áreas remotas ou empobrecidas, para que mais estudantes tenham acesso a recursos educacionais de qualidade, e nossas políticas de alívio da pobreza por meio de programas educacionais se tornem mais eficientes”, disse Chen Gang, diretor da Escola Colegial Tianfu nº7.

A expectativa é que a aplicação comercial de tecnologia 5G promova uma revolução na vida e no trabalho das pessoas, na economia e na sociedade, e estimule o desenvolvimento de uma sociedade inteligente, abrindo possibilidades imensas.

Uma rede aberta

Na era 3G, a China adotou padrões estrangeiros para as redes de celular; na era 4G, seu padrão de comunicação por celular desenvolvido no país tornou-se uma das seis grandes marcas globais; mas na era 5G, a China lidera o mundo em tecnologia, padrões, aplicações e desenvolvimento do setor.

Em 30 de maio, a operadora de celular EE lançou o primeiro serviço 5G do Reino Unido em ses cidades do país. Usou em sua rede produtos do provedor chinês de serviços de telecomunicações Huawei. Outra operadora de celular, a Vodafone, passou a oferecer seus serviços 5G em sete cidades britânicas no início de julho, também usando equipamento da Huawei.

A Huawei assinou contratos de implantação de 5G com várias operadoras de celular na Espanha, e criou um laboratório aberto para uma rede sem fio de 5G na Coreia do Sul. Até o momento, vários países da Europa, Oriente Médio, Ásia e das Américas têm firmado acordos de cooperação para aplicações comerciais 5G com companhias chinesas como a Huawei e a ZTE.

A China está aberta à cooperação internacional no que se refere ao processo inteiro de desenvolvimento do 5G. Em 2013, ela criou o Grupo de Promoção IMT-2020-(5G), cujos membros incluem companhias estrangeiras do porte da Ericsson, Nokia, Qualcomm, Intel e Rohde & Schwartz. Na plataforma deste grupo de promoção, companhias chinesas e estrangeiras trabalham juntas em pesquisas, experimentos tecnológicos e testes de produtos, e formulam em conjunto tecnologia e padrões de testes.

Com a tecnologia 5G é possível médicos participarem remotamente de cirurgias, como nesta demonstração de broncoscopia por fibra óptica

Além da colaboração entre produtores de equipamentos de sistemas, chips, terminais e instrumentos para teste no mundo inteiro, e da inovação doméstica, a China agora assumiu uma posição de liderança no desenvolvimento de redes de 5G globalmente, com uma clara vantagem competitiva nessa área. As companhias chinesas respondem por mais de 30% das patentes essenciais padrão (Standards-Essential Patents, ou SEPs) relativas ao 5G. A tecnologia e os produtos 5G da China estão amadurecendo, e elos-chave da cadeia industrial 5G já alcançaram plenamente o estágio de comercialização, lançando os alicerces para a implantação da 5G comercial no país.

Em abril, o Conselho de Inovação na Defesa do Departamento de Defesa dos EUA apresentou o relatório The 5G Ecossystem: Risks & Opportunities for DoD [“O Ecossistema 5G: Riscos e Oportunidades para o Departamento de Defesa”]. Esse relatório declara que a China agora implantou 350 mil estações-base operáveis em 5G, o que corresponde a perto de 10 vezes o número das que foram implantadas nos Estados Unidos. Em termos globais, as grandes fabricantes chinesas (Huawei e ZTE) estão impulsionando a implantação do 5G por meio de vendas comerciais de equipamentos e dispositivos 5G, basicamente para redes não autônomas, e a Huawei já despachou mais de 10 mil estações-base para fornecedores do exterior.

O Ministério da Industria e Tecnologia da Informação anunciou que a China está aberta à participação de companhias domésticas e estrangeiras de design, implantação e promoção de redes 5G no país, e compartilha os avanços do setor 5G da China. Durante anos, empresas chinesas têm sido ativas na formulação de padrões de telecomunicações internacionais, construção de redes e promoção industrial, contribuindo para o desenvolvimento do setor de telecomunicações internacional. Agora a China abre os braços para o resto do mundo para que todos desfrutem juntos de suas redes 5G.

Comentários

Todos os campos abaixo são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.